clique para ir para a página principal

Monitor do PIB-FGV aponta alta de 0,6% em outubro; queda acumulada em 12 meses é de 2,7%

Atualizado em -

Monitor do PIB-FGV aponta alta de 0,6% em outubro; queda acumulada em 12 meses é de 2,7% Pixabay
► 'Prévia do PIB' indica alta de 0,86% em outubro; no ano, queda acumulada é de 4,92%► Governo fixa em R$ 247,1 bilhões meta de déficit primário para 2021

O Monitor do PIB, calculado pela FGV, registrou alta de 0,6% em outubro na comparação com o mês anterior. Já no trimestre móvel, encerrado em outubro, a variação positiva foi de 6,4% na comparação com o trimestre anterior. Já na comparação interanual, a economia teve queda de 2,7% em outubro e de 3,1% no trimestre entre agosto e outubro.

“Estes resultados são reflexo do fraco desempenho dos dois principais componentes da demanda: o consumo das famílias e a formação bruta de capital fixo. Mesmo com a flexibilização das medidas de isolamento e pequena melhora dos setores de alojamento, alimentação, serviços prestados às famílias, educação e saúde, o crescimento observado ainda é insuficiente para trazer o consumo para o plano positivo”, contou Cláudio Considera, coordenador do estudo.

Ainda segundo ele, a tendência da economia parece ser a de retornar às incipientes taxas mensais do início do ano. Das doze atividades desagregadas que compõem o PIB apenas 6 estão no campo positivo, seja na comparação anualizada ou na comparação com o mês anterior.

O levantamento aponta que o setor de serviços ainda apresenta grande resistência à recuperação e embora os produtos não duráveis e duráveis consumidos pelas famílias tenham sido favorecidos pelo auxílio emergencial e pelo comércio virtual, os serviços continuam travando a economia. O estudo mostra também que os desempenhos de todos os componentes da formação bruta de capital fixo tiveram desempenho negativo.

IGP-M

A FGV também divulgou o IGP-M do segundo decêndio de dezembro. O índice subiu 3,05% na comparação com o mesmo período do mês anterior. Com o resultado, a taxa acumulada é de 23,41%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou 1,7% no período – ante 3,98% no segundo decêndio de novembro. Já o Índice de Preços ao Consumido (IPC) subiu 1,23% - ante 0,51% na coleta anterior. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 1,20%. No mês anterior, a alta foi de 1,38%.

Relacionados:

► 'Prévia do PIB' indica alta de 0,86% em outubro; no ano, queda acumulada é de 4,92%► Governo fixa em R$ 247,1 bilhões meta de déficit primário para 2021

Leia mais: