clique para ir para a página principal

Dos R$ 620,5 bi em medidas para Covid-19, R$ 31,6 bi afetarão primário de 2021, informa Economia

Atualizado em -

Dos R$ 620,5 bi em medidas para Covid-19, R$ 31,6 bi afetarão primário de 2021, informa Economia Freepik
► Expectativa de inflação dos consumidores tem maior aumento em cinco anos e chega a 5,2% ► Receita informa que arrecadação tem melhor desempenho para novembro em seis anos

O Ministério da Economia informou nesta terça-feira (22) que as medidas para enfrentamento à pandemia de Covid-19 terão impacto primário de R$ 620,5 bilhões, sendo que R$ 31,6 bilhões devem afetar o resultado primário de 2021. No montante para o ano que vem, estão incluídos R$ 20 bilhões em gastos com a campanha de vacinação.

Os R$ 588,9 bilhões que ficarão em 2020 correspondem a 8,15% do produto interno bruto (PIB). A pasta considerou retração de 4,5% da economia brasileira para este ano e crescimento de 3,2% para 2021. O boletim Focus do Banco Central, divulgado nesta segunda-feira (21), prevê queda de 4,4% no PIB deste ano e alta de 3,46% para o ano que vem.

No valor restante para 2021, também estão incluídos R$ 7,7 bilhões associados à secretaria do Trabalho e Previdência, R$ 3 bilhões para a Saúde e 900 milhões para o Ministério da Cidadania.

A nova projeção do ministério indica rombo de R$ 831 bilhões (11,5% do PIB) para o déficit primário do governo central. Em novembro, era de R$ 11,7% do PIB. Para o setor público consolidado, a expectativa é de um rombo primário de R$ 844,2 bilhões. A dívida pública deve encerrar o ano em 93,3% do PIB, e a dívida líquida em 66,5%.

Relacionados:

► Expectativa de inflação dos consumidores tem maior aumento em cinco anos e chega a 5,2% ► Receita informa que arrecadação tem melhor desempenho para novembro em seis anos

Leia mais: