clique para ir para a página principal

Uso de app de instituições financeiras cresce entre clientes acima dos 50 anos

Atualizado em -

Uso de app de instituições financeiras cresce entre clientes acima dos 50 anos Pixabay
► Bancos tradicionais buscam espaço em meio ao crescimento das fintechs no país► Bancos reduzem agências físicas e empregos no caminho para a digitalização

A pandemia ajudou a acelerar o processo de experiência digital com instituições financeiras para clientes acima dos 50 anos. E, neste processo, o uso do celular foi o que mais cresceu entre as ferramentas digitais: 60% dos usuários desta faixa etária aumentaram a utilização.

Os dados foram coletados por um estudo feito pelo banco digital Agibank intitulado "50+: novos tempos, novos hábitos". A pesquisa mapeia as principais mudanças no comportamento das pessoas com mais de 50 anos no Brasil durante a pandemia e suas preferências no relacionamento com instituições financeiras.

O levantamento, realizado entre os meses de setembro e outubro de 2020, teve abrangência nacional e coletou dados de 1.464 pessoas, sendo 1.006 indivíduos com 50 anos ou mais, dentro da amostra principal, e os outros 458 de 30 a 49 anos, que formaram a amostra controle. O estudo possui 95% de confiança e margem de erro de 3,01% para o grupo 50+ e 4,6% para o grupo de 30 a 49 anos.

"Mesmo que os 50+ sejam o grupo que mais cresce e vai seguir crescendo no Brasil – hoje são 54 milhões e, até 2050, devem chegar a 98 milhões de pessoas – eles demandam por assessoramento financeiro e um atendimento atento e inclusivo", afirma Saulo Barbosa, líder de Marketing do Agibank.

A respeito dos canais preferidos para atendimento, o primeiro lugar (22%) ficou com o aplicativo do banco no celular. Na sequência, aparece o caixa eletrônico da agência, com a preferência de 17% dos consultados com mais de 50 anos, contra 8% na faixa entre 30 e 49 anos – o que mostra a importância do ponto físico entre os maduros. Depois, ainda aparecem os serviços bancários na lotérica (14%) e o caixa eletrônico fora da agência (10%).

O cartão de débito/crédito é a forma mais usada – por 52% dos entrevistados – para movimentações financeiras. Para os mais jovens, esse percentual é de 36%. Outro destaque é que 26% dos 50+ costumam sacar toda a renda para usar o dinheiro em espécie ao longo do mês. Na faixa entre 30 e 49 anos, esse volume é de apenas 14%. E ainda: 35% dos maduros utilizam os aplicativos dos bancos para movimentar seus recursos e outros 34% usam caixas eletrônicos 24 horas.

Agibank inaugura a HypeFlame

No início de dezembro, o banco digital Agibank anunciou a criação de uma nova empresa focada em inteligência de dados. Com o nome de Hypeflame, a companhia nasceu com um orçamento de R$ 200 milhões e um quadro de 400 funcionários.

Segundo o presidente executivo da nova empresa, Fernando Castro, a proposta da Hypeflame é desenvolver sistemas de engenharia de dados, criando ferramentas que possam ser adotadas por diferentes companhias e indústrias para uso das informações.

Com sede em Porto Alegre, o Agibank conta atualmente com pouco mais de 1 milhão de clientes. Atualmente, 55% dos atuais correntistas estão na faixa etária acima dos 50 anos. Em setembro, a empresa recebeu um aporte de R$ 400 milhões do fundo Vinci Partners para acelerar seu crescimento - além da criação da Hypeflame, a fintech também aposta na criação de soluções em diferentes canais para seus produtos e serviços bancários.

Relacionados:

► Bancos tradicionais buscam espaço em meio ao crescimento das fintechs no país► Bancos reduzem agências físicas e empregos no caminho para a digitalização

Leia mais: