clique para ir para a página principal

Petrobras fecha contratos com Braskem, reduz escritórios fora do país e conclui venda da Liquigás

Atualizado em -

Petrobras fecha contratos com Braskem, reduz escritórios fora do país e conclui venda da Liquigás Bloomberg
► Petrobras assina venda de campos terrestres no Recôncavo por US$ 250 milhões ► Dos R$ 620,5 bi em medidas para Covid-19, R$ 31,6 bi afetarão primário de 2021, informa Economia

A Petrobras (PETR3; PETR4) celebrou novos contratos de longo prazo com a Braskem (BRKM5) para fornecimento de nafta petroquímica para a unidade industrial do estado de São Paulo e de fornecimento de etano e propano para a unidade industrial do estado do Rio de Janeiro.

O contrato de nafta, no valor estimado de R$ 19 bilhões, entrará em vigor em 23 de dezembro de 2020, após o encerramento do contrato atual, e vigorará até 31 de dezembro de 2025. A quantidade é de até 2 milhões de toneladas por ano.

O contrato de etano e propano, no valor estimado de R$ 7,6 bilhões, entrará em vigor dia 1º de janeiro de 2021, após o encerramento do contrato atual, e vigorará até 31 de dezembro de 2025. As quantidades contratuais de etano e propano, somadas, são equivalentes à produção, pela Braskem, de 580 mil toneladas por ano de eteno. Os preços dos contratos são baseados nas referências internacionais.

Além disso, a empresa informou que vai racionalizar sua presença internacional em 2021, considerando os três principais mercados do mundo, na Europa, América do Norte e Ásia. Com este novo plano, a Petrobras concentrará sua atuação comercial fora do Brasil dos escritórios de Roterdã, na Holanda, em Houston, nos Estados Unidos, e em Cingapura. A iniciativa alinha-se às ações de redução de despesas corporativas dentro do plano de resiliência.

Dos 18 escritórios externos que a Petrobras mantinha no fim de 2018, dez já foram fechados, além de Londres. Estão neste grupo as representações na China, no México, no Irã, na Turquia e nos Estados Unidos (Nova York). Em função dos desinvestimentos em operações já realizados, a Petrobras também desativou escritórios no Japão, no Paraguai, na Nigéria, na Tanzânia e na Líbia.

Início de fase vinculante com Polo Potiguar

A companhia informou também o início da fase vinculante referente à venda da totalidade de suas participações em um conjunto de 26 concessões de campos de produção terrestres e de águas rasas, localizadas na Bacia Potiguar, no estado do Rio Grande do Norte, denominados conjuntamente de Polo Potiguar.

O Polo Potiguar compreende três subpolos (Canto do Amaro, Alto do Rodrigues e Ubarana), totalizando 26 concessões de produção, 23 terrestres e 3 marítimas, localizadas no Rio Grande do Norte, além de incluir acesso à infraestrutura de processamento, refino, logística, armazenamento, transporte e escoamento de petróleo e gás natural. As concessões do subpolo Ubarana estão localizadas em águas rasas, entre 10 e 22 km da costa do município de Guamaré-RN. As demais concessões dos subpolos Canto do Amaro e Alto do Rodrigues são terrestres.

Conclusão da venda da Liquigás

Após o cumprimento das condições precedentes, a operação foi concluída com o pagamento de R$ 4 bilhões para a Petrobras, já com os ajustes preliminares previstos no contrato, sendo parte desse recurso decorrente de investimento minoritário e relevante da Itaúsa na Copagaz.

A Liquigás é subsidiária integral da Petrobras e atua no engarrafamento, distribuição e comercialização de gás liquefeito de petróleo (GLP) no Brasil. A empresa está presente em quase todos os estados brasileiros, e conta com 23 centros operativos, 19 depósitos, uma base de armazenagem e carregamento rodoferroviário e uma rede de aproximadamente 4.800 revendedores autorizados, tendo cerca de 21,4% de participação de mercado.

Relacionados:

► Petrobras assina venda de campos terrestres no Recôncavo por US$ 250 milhões ► Dos R$ 620,5 bi em medidas para Covid-19, R$ 31,6 bi afetarão primário de 2021, informa Economia

Leia mais: