clique para ir para a página principal

Pfizer recebe certificado de boas práticas de fabricação da Anvisa

Atualizado em -

Pfizer recebe certificado de boas práticas de fabricação da Anvisa Shutterstock
► Ministério da Saúde negocia 150 milhões de doses de vacinas contra a Covid para o 1º semestre de 2021► União Europeia inicia vacinação em massa contra a Covid-19

Na última segunda-feira (28), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu para a Pfizer um certificado de boas práticas de fabricação. Vale ressaltar que esse certificado é necessário para que a vacina contra Covid-19 seja registrada no país.

A Pfizer, que desenvolveu uma vacina em parceria realizada com a BioNTech, foi a terceira empresa fabricante de vacinas contra a Covid-19 a receber o certificado da Anvisa. As outras duas organizações que receberam foram a Sinovac e a AstraZeneca.

Apesar de já terem o certificado, nenhuma das três organizações solicitou o pedido do registro emergencial de suas vacinas. No momento, as empresas estão no processo em que os laboratórios apresentam dados e documentos que vão ser analisados para que as vacinas sejam registradas.

A Pfizer usa quatro empresas na produção do ativo biológico que é usado na produção da vacina. A agência coletou informações sobre três dessas quatro organizações.

O governo brasileiro negocia a compra de 70 milhões de doses da vacina da Pfizer. Em função do contrato não ter sido fechado, a empresa informou que não pretende pedir o registro emergencial pois, com esse registro, a organização teria de apresentar o número de doses e o cronograma de aplicação no país.

O grande impasse para assinatura do contrato de venda das vacinas da Pfizer é a respeito de um artigo em que o laboratório não se responsabiliza por efeitos colaterais. O presidente Jair Bolsonaro não quer que o governo brasileiro assuma essa responsabilidade.

AstraZeneca

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) não vai conseguir aprovar a vacina contra covid-19 que foi produzida pela farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford no mês de janeiro. O vice-diretor-executivo, Noel Wathion, explicou que além de ainda não ter feito a solicitação, a empresa também não divulgou informações suficientes para justificar a licença de comercialização condicional.

Relacionados:

► Ministério da Saúde negocia 150 milhões de doses de vacinas contra a Covid para o 1º semestre de 2021► União Europeia inicia vacinação em massa contra a Covid-19

Leia mais: