clique para ir para a página principal

Tecnologia: o que esperar em 2021?

Atualizado em -

Tecnologia: o que esperar em 2021? Freepik
► Laboratório pede autorização para iniciar testes com vacina Sputnik V no Brasil► Fiocruz pedirá uso emergencial de vacina da AstraZeneca, informa Anvisa

O ano de 2020 foi marcado por avanços tecnológicos nunca vistos antes no mundo. Milhares de cientistas em diversos países se uniram em busca de uma solução para combater o coronavírus, a sociedade aprendeu a se adaptar às máquinas e às facilidades virtuais em meio ao isolamento social e os governos usaram a tecnologia para socorrer a população em meio à crise causada pela doença.

Vacinas

Em 2021, o grande destaque deve ser das vacinas que prometem imunização contra a Covid-19. No momento, mais de 40 países já iniciaram campanhas de vacinação para tentar controlar a pandemia global que começou em março de 2020.

Num esforço inédito e conjunto de cientistas de todo o mundo, 3 vacinas já foram aprovadas para uso definitivo contra o vírus: a da Pfizer/BioNTech, a da Moderna e a do laboratório Sinopharm/Pequim. Outros cinco imunizantes foram autorizados para uso emergencial, dentre as quais está a Coronavac, escolhida pelo governo do estado de São Paulo para imunizar a população. Outras 19 vacinas estão em fase de estudo e podem ser aprovadas no início de 2021 para alcançar mais países e acelerar a imunização e o fim da pandemia.

No Brasil, nenhuma vacina foi registrada pela Anvisa até o momento. O governo de São Paulo definiu a data de 25 de janeiro para iniciar a imunização. Já o governo federal informou que, na melhor das hipóteses, a vacinação começa no fim de janeiro de 2021.

“Nós temos contratos firmados com quatro a cinco laboratórios, e eles vão nos dando toda essa cronologia, atualizando nosso cronograma, mas o principal número, a principal data é que até o final de janeiro nós teremos vacinas iniciais, algumas em caráter emergencial, e a vacinação em massa, já com registro, a partir de fevereiro”, disse o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

A imunização em massa é a esperança para que a economia seja retomada no Brasil. O país registrou aumento no número de casos confirmados e de mortes nos últimos dias e terá que lidar com o fim do auxílio emergencial a partir de janeiro em meio aos ajustes econômicos que ainda estão sendo feitos.

Tecnologia para o consumidor

O isolamento social e o fechamento dos comércios durante alguns meses do ano aceleraram um processo que já estava acontecendo: a modernização das transações financeiras e a adaptação dos brasileiros às tecnologias para facilitar o dia-a-dia.

Por aqui, o Banco Central (BC) lançou, com sucesso, o PIX, sistema de pagamentos instantâneos que substitui operações tradicionais como o TED e o DOC. Em operação desde novembro, o sistema já registrou o cadastro de mais de 100 milhões de chaves, de acordo com dados do BC.

Para 2021, o BC se prepara para uma outra novidade: o sistema de Open Banking, que permitirá o compartilhamento de dados financeiros entre instituições com a autorização dos clientes. O Mercado1Minuto preparou um texto sobre a nova tecnologia. Você pode saber mais clicando aqui.

Além das novidades do Banco Central, o crescimento das transações digitais, dos pagamentos por aproximação e dos bancos virtuais devem continuar em 2021. Com as compras online impulsionadas pela pandemia, a nova realidade dos brasileiros - e do resto do mundo - deve ser mais digital a cada dia.

Relacionados:

► Laboratório pede autorização para iniciar testes com vacina Sputnik V no Brasil► Fiocruz pedirá uso emergencial de vacina da AstraZeneca, informa Anvisa

Leia mais: