clique para ir para a página principal

Bolsa de NY abandona plano de deslistar gigantes chinesas de telecomunicações

Atualizado em -

Bolsa de NY abandona plano de deslistar gigantes chinesas de telecomunicações Johannes Eisele | AFP
► TIM passa a operar com novo código na B3 e na NYSE► Chinesa Huawei deve participar do leilão 5G no Brasil

Numa reviravolta após anúncio feito na semana passada, a Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) divulgou hoje que não pretende mais deslistar três gigantes das telecomunicações chinesas.

O plano incluía deslistar as empresas antes de 11 de janeiro. Em comunicado, a Nyse confirmou que recuou após "novas consultas às autoridades regulatórias relevantes".

As ações negociadas em Hong Kong nas empresas estatais China Mobile (NYSE:CHL), China Telecom (NYSE:CHA) e China Unicom Hong Kong Ltd (NYSE:CHU) valorizaram após a notícia. Os papéis listados em Hong Kong da China Mobile fecharam em alta de 5% nesta terça-feira, enquanto China Telecom subiu 3% e China Unicom avançou mais de 8%.

A agência Reuters destacou que a possibilidade da retirada de nomes que dizem ser ligadas a militares da China foi mais um episódio da tensão entre as duas potências. Nas últimas semanas de Donald Trump, a decisão da Nyse ressaltou a falta de clareza sobre a implementação e as implicações da proibição dos EUA de investir em 35 empresas chinesas classificadas como tendo ligações militares.

"(Isso) mostra quão pouco claro é esse conjunto de orientações regulatórias até agora, especialmente no momento em que os EUA estão mudando o governo", disse Tariq Dennison, diretor-gerente da GFM Asset Management em Hong Kong.

Já o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse que a ação dos EUA foi opressiva e refletiu como as regras dos EUA podem ser "aleatórias, arbitrárias e incertas".

"A China se opõe firmemente à politização dos EUA na questão comercial, ao abuso do poder do Estado e ao alargamento do conceito de segurança nacional para prejudicar as empresas chinesas", disse Hua em uma entrevista coletiva nesta segunda-feira (04).

O decreto de novembro do governo de Trump fez com que as empresas de índices, incluindo FTSE Russell e MSCI Inc, cortassem uma dúzia de empresas chinesas da lista de seus índices de referências, mas nenhuma removeu as três empresas de telecomunicações, todas com grandes fundos passivos norte-americanos entre seus principais acionistas.

As três empresas de telecomunicações disseram em comunicados separados que tomaram conhecimento do último anúncio da Nyse e divulgariam informações de acordo com os regulamentos, acrescentando que os investidores devem prestar atenção aos riscos de investimento.

Relacionados:

► TIM passa a operar com novo código na B3 e na NYSE► Chinesa Huawei deve participar do leilão 5G no Brasil

Leia mais: