clique para ir para a página principal

Bolsa de NY volta atrás novamente e decide banir ações de três gigantes de telecomunicações da China

Atualizado em -

Bolsa de NY volta atrás novamente e decide banir ações de três gigantes de telecomunicações da China Freepik
► Bolsa de NY abandona plano de deslistar gigantes chinesas de telecomunicações► Ganhos em ações colaboram para índice de blue-chips da China ter melhor resultado em 13 anos

Após ter anunciado que não faria a retirada da sua lista de companhias, a Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) prossegue com um plano para excluir três grandes empresas de telecomunicações chinesas. Essa é a segunda reviravolta nesta semana, depois que o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, criticou a decisão da bolsa americana de dar às empresas um adiamento.

A bolsa nova-iorquina informou que vai suspender negociações com as ações das três maiores empresas estatais de telecomunicações da China a partir de 11 de janeiro, após receber uma "nova diretriz" do Departamento do Tesouro dos EUA.

De acordo com a Bloomberg, a mudança acontece por conta de uma ação judicial anterior que pegou as autoridades americanas desprevenidas. A questão mobilizou a administração do presidente Donald Trump, que assinou uma ordem executiva em novembro exigindo que os investidores se retirassem dos negócios chineses considerados uma ameaça à segurança nacional dos EUA.

"A decisão é baseada em novas orientações específicas recebidas em 5 de janeiro de 2021, que o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros do Departamento do Tesouro forneceu à NYSE", disse a bolsa em um comunicado nesta quarta-feira.

A nova orientação referenciada pela NYSE foi publicada no site do Departamento do Tesouro logo após o anúncio de fechamento de capital. O Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros listou explicitamente as três empresas chinesas de telecomunicações como incluídas na lista de empresas proibidas: China Mobile (NYSE:CHL), China Telecom (NYSE:CHA) e China Unicom Hong Kong Ltd (NYSE:CHU).

EUA x China

A NYSE primeiro anunciou que retiraria as empresas na véspera de Ano Novo, antes de mudar o curso quatro dias depois. A decisão inicial era para cumprir a ordem do presidente Trump, mas a troca mudou depois que surgiram dúvidas sobre se as empresas foram realmente proibidas. E, nesta quarta-feira (06), a bolsa voltou a anunciar que seguirá com a retirada.

Os Recibos de Depósitos Americanos da China Mobile caíram até 4,2% nesta manhã em Nova York, enquanto a China Telecom caiu 4,1%. China Unicom subiu 3,6%.

Desde o início da pandemia da Covid-19, o governo Trump apliou seus ataques à China, impondo sanções contra abusos dos direitos humanos e a repressão do país a Hong Kong. Os EUA também têm tomado medidas para romper laços econômicos e negar às empresas chinesas o acesso ao capital americano.

Relacionados:

► Bolsa de NY abandona plano de deslistar gigantes chinesas de telecomunicações► Ganhos em ações colaboram para índice de blue-chips da China ter melhor resultado em 13 anos

Leia mais: