clique para ir para a página principal

Estudo no Brasil aponta que CoronaVac evita 100% de casos moderados e graves da Covid-19

Atualizado em -

Estudo no Brasil aponta que CoronaVac evita 100% de casos moderados e graves da Covid-19 Alexandre Schneider/Getty Images
► Governo de SP apresenta a prefeitos o Plano Estadual de Imunização contra a Covid-19► Em pronunciamento, Pazuello diz que vacinação contra Covid-19 começa neste mês

Estudos finais realizados no Brasil mostraram que a CoronaVac teve uma eficácia de 78% no combate à Covid-19. A porcentagem é referente à prevenção de casos leves da doença.

Já os casos moderados e mortes foram completamente evitados no estudo científico realizado com voluntários brasileiros. Ou seja, a CoronaVac garantiu proteção total contra mortes nos voluntários vacinados que pegaram o novo coronavírus durante os testes.

Os dados foram revisados na Áustria por um Comitê Internacional Independente, que acompanha todos ensaios da vacina. A divulgação oficial ocorre após dois adiamentos e desencontros acerca dos números. Uma vacina precisa ter ao menos 50% de cobertura para ser aprovada.

O governo de São Paulo patrocinou o estudo da fase 3 da vacina criada pelo laboratório chinês. Desde 20 de julho, 13 mil profissionais de saúde, em oito estados brasileiros, receberam duas doses com 14 dias de intervalo entre elas. Do total de participantes, cerca de 220 pessoas foram infectadas pelo Sars-CoV-2.

O Instituto Butantan apresentou os dados à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em reunião nesta manhã. O instituto também deu entrada no pedido de registro emergencial do imunizante que irá produzir em São Paulo. A expectativa é a de que os dados sejam analisados pela agência federal em até dez dias.

Em nota, a Anvisa registrou que a reunião desta manhã foi de pré-submissão da vacina.

"A equipe técnica do Instituto Butantã apresentou informações, por meio do power point, referentes a eficácia e segurança da vacina. Não houve submissão do pedido de uso emergencial pelo Instituto, mas sim a apresentação de informações gerais sobre os estudos de eficácia", confirmou a agência.

Eficácia da CoronaVac

O governador João Doria também confirmou que o imunizante apresentou 100% de eficácia na prevenção de casos graves da doença.

"Significa que a vacina tem alto grau de eficiência e eficácia contra a Covid-19. Hoje, pela manhã, o Butantã iniciou o pedido de uso emergencial junto à Anvisa. O objetivo é iniciar a vacinação no dia 25 de janeiro, como programado, e fornecer para todo o Brasil através do Ministério da Saúde", declarou em coletiva de imprensa.

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, destacou a importância da ação da vacina que foi amplamente testada em larga escala.

"Uma vacina tem papéis diferentes em situações normais e em situações pandemicas como essa. Temos que lembrar que estamos perdendo pessoas. Uma vacina nesse momento vem pra diminuir a carga da doença, para impedir que as pessoas uma vez infectadas desenvolvam a forma grave da doença", afirmou.

O diretor do Butantan também reforçou que as pessoas vacinadas foram protegidas dos sintomas moderados e graves da doença.

"As pessoas que receberam a vacina, em relação às que não receberam, não tiveram nenhum caso de Covid grave. Ou seja, a vacina protegeu 100% em relação a casos graves. Não só: protegeu também 100% contra casos moderados. Ou seja", explicou Dimas.

Há uma expectativa de que o pedido para uso definitivo na China ocorra na semana que vem, o que facilitaria o processo também no Brasil.

Relacionados:

► Governo de SP apresenta a prefeitos o Plano Estadual de Imunização contra a Covid-19► Em pronunciamento, Pazuello diz que vacinação contra Covid-19 começa neste mês

Leia mais: