clique para ir para a página principal

Mourão afirma que tomará vacina; Eficácia global da CoronaVac no Brasil será apresentada amanhã

Atualizado em -

Mourão afirma que tomará vacina; Eficácia global da CoronaVac no Brasil será apresentada amanhã Andressa Anholete/Getty Images
► Estudo no Brasil aponta que CoronaVac evita 100% de casos moderados e graves da Covid-19► Fiocruz e Butantan solicitam à Anvisa autorização para uso emergencial das vacinas contra a Covid-19

Nesta segunda-feira, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que tomará a vacina contra Covid-19, mas que não vai "furar fila".

Mourão voltou ao trabalho hoje após 12 dias em isolamento no Palácio do Jaburu para tratamento da doença. Em conversa com jornalistas, ele defendeu ainda que a imunização contra o novo coronavírus é uma "questão coletiva" e reforçou que "a vacina é para todo o país".

"Eu sou grupo dois de acordo com o planejamento [do Ministério da Saúde]. Não vou furar a fila, a não ser que seja propagandística", disse o vice-presidente sobre tomar vacina antes do prazo para incentivar outros a aderirem à campanha nacional de imunização.

As afirmações do vice-presidente da República vão na direção contrária daquelas feitas pelo presidente Bolsonaro, que já declarou publicamente que não vai tomar a vacina e defende a não obrigatoriedade da população se vacinar.

"Eu acho que a vacina é para o país como um todo, é uma questão coletiva, não individual. O individuo aqui está subordinado ao coletivo, neste caso", destacou Mourão.

Eficácia global da CoronaVac

Em entrevista à GloboNews nesta manhã, o secretário da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que os dados da eficácia global dos testes da CoronaVac realizados no Brasil serão apresentados em coletiva de imprensa no Instituto Butantan nesta terça-feira (12).

"Esses dados que nós chamamos de eficácia global estão em posse do Butantan e da agência reguladora, a Anvisa, e dessa maneira saberemos todos amanhã essa informação que é de fundamental importância para que nós possamos inseri-la inclusive nas próprias campanhas [de vacinação]", explicou Gorinchteyn.

Na semana passada, o Instituto noticiou que a vacina atingiu 78% de eficácia em casos leves e 100% para casos graves e moderados. No entanto, a eficácia global da CoronaVac, apontando a capacidade da vacina de proteger em todos os casos, sejam leves, moderados ou graves, ainda não foi divulgada.

Relacionados:

► Estudo no Brasil aponta que CoronaVac evita 100% de casos moderados e graves da Covid-19► Fiocruz e Butantan solicitam à Anvisa autorização para uso emergencial das vacinas contra a Covid-19

Leia mais: