clique para ir para a página principal

Macron afirma que depender da soja do Brasil é endossar desmatamento

Atualizado em -

Macron afirma que depender da soja do Brasil é endossar desmatamento Kafkadesk
► Balança comercial registra superávit de US$ 1,111 bilhões na primeira semana de 2021► Exportações do agro ultrapassam barreira dos US$ 100 bilhões pela segunda vez

Emmanuel Macron, presidente da França, fez uma postagem nas redes sociais nesta terça-feira (12) apontando problemas na política ambiental brasileira e na dependência do grão, que é importado do Brasil, defendendo plantação local da soja.

(Continuar a depender da soja brasileira é endossar o desmatamento da Amazônia. Nós somos coerentes com nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa!)

De acordo com o presidente francês, ao importar a soja produzida em um ritmo rápido a partir da floresta destruída no Brasil, a Europa é incoerente. E se o continente precisa de soja brasileira para sobreviver, os países devem produzir soja europeia ou algo equivalente.

Macron é um dos principais defensores da não assinatura do acordo de livre-comércio entre o Mercosul e a União Europeia por afirmar que os países locais, especialmente o Brasil, não seguem os rígidos protocolos ambientais que os produtores europeus precisam seguir. Em junho do ano passado, ele afirmou que a União Europeia não deve fazer nenhum acordo comercial com países que não respeitarem o Acordo de Paris.

USDA mantém inalterada previsão para soja brasileira

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) publicou nesta terça-feira (12) que mantém projeção para a safra de soja 2020/21 do Brasil ante o mês passado, em 133 milhões de toneladas. Além disso, a entidade revisou a colheita brasileira de milho para baixo, 109 milhões de toneladas, ante 110 milhões de toneladas no levantamento de dezembro.

Os dados fizeram disparar o preço da soja e do milho, fechando acima de US$ 14,20 e US$ 5,17, respectivamente, na Bolsa de Chicago. Na projeção global do USDA, a queda nos estoques de soja irá para 140 milhões de bushels, quando no último levantamento de dezembro as amostras eram de 175 milhões, resultados de uma safra de 4,135 bilhões. No milho, o USDA lapidou os estoques finais de 1,702 bilhão de bushels para 1,552 bilhão.

O Brasil é o maior produtor e exportador de soja do mundo. A última safra representou 125 milhões de toneladas.

Relacionados:

► Balança comercial registra superávit de US$ 1,111 bilhões na primeira semana de 2021► Exportações do agro ultrapassam barreira dos US$ 100 bilhões pela segunda vez

Leia mais: