clique para ir para a página principal

HBR Realty estreia na B3 e marca a série de IPOs que estão previstos em 2021

Atualizado em -

HBR Realty estreia na B3 e marca a série de IPOs que estão previstos em 2021 Freepik
► Oito empresas já anunciaram IPOs na B3 em 2021; Volume em ofertas de ações pode chegar a R$ 140 bi no ano► Cemig levanta R$ 1,37 bi com venda de suas ações na Light

A HBR Realty (HBRE3), empresa do segmento imobiliário, estreia na B3 com papéis precificados a R$ 19,10, valor abaixo da faixa indicativa da operação, que variava entre R$ 23,85 e R$ 29,85.

O conselho de administração da empresa aprovou o efetivo aumento de capital no montante total de R$ 729,6 milhões, mediante emissão de 38.200.000 ações. O novo capital da HBR Realty passará a ser de R$ 1,3 bilhão e a empresa chega à B3 valendo R$ 2,5 bilhões.

As ações provenientes da oferta passam a ser negociadas hoje (26) sob o ticker HBRE3. Às 14h os papéis registravam alta de 1,57% a R$ 19,40.

De acordo com a companhia, os recursos levantados no IPO serão utilizados para exploração comercial, com as principais plataformas de atuação da HBR Realty, especificamente nos segmentos denominados ComVem, HBR 3A e HBR Malls.

A companhia optou por abrir seu capital através de uma oferta restrita. Neste caso, a operação é destinada apenas a investidores profissionais, aqueles que possuem um patrimônio mínimo investido de R$ 10 milhões. E ela também é restrita a um número limitado de investidores – um total de 75, sendo que apenas 50 podem subscrever os papéis.

A HBR foi criada em 2011 por Henrique Borenstein — presidente do conselho de administração — e seu filho, Henry. A família é tradicional no ramo imobiliário. O pai de Henrique, Hélio Borenstein, imigrante russo, foi quem criou a Helbor (HBOR3), que já tem ações negociadas na bolsa. Em 2019, a companhia registrou aumento de 64,5% em seu lucro na comparação anual, chegando a R$ 194 milhões.

Relacionados:

► Oito empresas já anunciaram IPOs na B3 em 2021; Volume em ofertas de ações pode chegar a R$ 140 bi no ano► Cemig levanta R$ 1,37 bi com venda de suas ações na Light

Leia mais: