clique para ir para a página principal

Relatório da OIT aponta perda de 255 milhões de empregos pelo mundo na pandemia

Atualizado em -

Relatório da OIT aponta perda de 255 milhões de empregos pelo mundo na pandemia Freepik
► Mercado de trabalho dos EUA perde 140 mil vagas em dezembro; desemprego é de 6,7%► Brasil encerrou 2020 com mais de 2 milhões de empregos temporários criados

Um relatório divulgado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) aponta que a pandemia de Covid-19 resultou no fim de 8,8% dos empregos mundiais. Essa baixa corresponde a perda de 255 milhões de empregos. Nesse cálculo da OIT, foram contabilizadas as jornadas de trabalho reduzidas e as pessoas que perderam o trabalho.

De acordo com o relatório, a estimativa é que a renda mundial teve redução de US$ 7 trilhões, o que corresponderia a uma queda de 8,3% na renda mundial e a baixa de 4,4 % do Produto Interno Bruto (PIB) global.

Os dados ainda apontaram que as mulheres foram mais atingidas no período. A perda de trabalho para elas registrou em baixa de 5%. Os jovens também foram fortemente impactados, com uma queda de 8,7%.

Ainda segundo o relatório, 71% das perdas de emprego foram em função da inatividade. Isso significa que 81 milhões de pessoas deixaram o mercado por não conseguirem trabalhar.

Ao todo, 114 milhões de pessoas foram afetadas diretamente pela crise em função da pandemia de Covid-19.

Setores

Os dados da OIT apontaram que os setores mais afetados pela crise foram os de hospedagem e alimentação. As duas áreas registraram 20% de queda no número de trabalhos. Logo em seguida, aparecem os seguimentos do varejo e da indústria que também tiveram perdas.

Em contrapartida, os setores da informação, comunicação e finanças e seguros tiveram alta no número de empregos no período.

Projeção

Segundo a OIT, as análises apontam que “a maioria dos países experimentará uma recuperação relativamente forte no segundo semestre do ano”, impulsionada pela vacinação.

Foram apresentadas três projeções, uma pessimista, uma otimista e uma de referência. Na pessimista, a jornada de trabalho diminuiria 4,6%, na otimista, a queda seria de 1,3 % e na de referência a baixa seria de 3%.

Para a OIT, fatores como manutenção de políticas macroeconômicas flexíveis, incentivos fiscais, adoção de medidas que estimulem a renda e investimento, a implementação de medidas específicas de apoio aos setores mais afetados e promoção do emprego nesses seguimentos, são necessários para que os países recuperem seus resultados.

Relacionados:

► Mercado de trabalho dos EUA perde 140 mil vagas em dezembro; desemprego é de 6,7%► Brasil encerrou 2020 com mais de 2 milhões de empregos temporários criados

Leia mais: