clique para ir para a página principal

BNDES cria linha de R$ 1 bilhão para produtores de biocombustíveis

Atualizado em -

BNDES cria linha de R$ 1 bilhão para produtores de biocombustíveis Miguel Angelo/CNI
► Petrobras eleva preço da gasolina pela 2ª vez este ano; diesel também sobe► Sete Brasil informa que não pode cumprir acordo e pede nova negociação com Petrobras

A diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou nesta quarta-feira (27) a criação do Programa BNDES de Incentivo à Redução de Emissões de CO₂ no setor de combustíveis (BNDES RenovaBio). O programa concederá empréstimos a empresas produtoras de biocombustíveis para estimulá-las a melhorar sua eficiência energético-ambiental. Aquelas que, ao longo do período de pagamento dos empréstimos, alcançarem as metas de redução de emissão de CO₂ estipuladas pelo programa terão redução na taxa de juros.

O BNDES RenovaBio faz parte da agenda do banco voltada para estimular boas práticas ambientais, sociais e de governança (ASG). O programa pretende contribuir para o aumento da produtividade e da difusão de inovações tecnológicas, e, com isso, garantir aos consumidores menor preço e maior oferta de biocombustíveis ainda mais sustentáveis.

“O programa foi desenhado para ser complementar à política do RenovaBio, na medida em que incentiva a adoção de melhores práticas produtivas e ambientais”, explica Petrônio Cançado, diretor de Crédito e Garantia do BNDES. “Com maior eficiência energético-ambiental e certificação,a produção de biocombustíveis do Brasil será ainda mais ‘verde’, ou seja, com menor volume de emissões de CO2 relativamente à quantidade de energia ofertada”, completa.

Para Ricardo Barros, diretor de Operações do Banco, o BNDES RenovaBio é uma proposta inovadora de instrumento financeiro para apoio a uma política pública.

“Ao mesmo tempo em que fomenta o desenvolvimento do mercado de créditos de carbono, o programa promove a competitividade no setor de combustíveis”, afirma Barros.

O valor máximo de cada empréstimo será de R$ 100 milhões por unidade produtora, considerando o limite por grupo econômico de R$ 200 milhões. O prazo total de pagamento será de até 96 meses, incluída uma carência de até 24 meses.

Relacionados:

► Petrobras eleva preço da gasolina pela 2ª vez este ano; diesel também sobe► Sete Brasil informa que não pode cumprir acordo e pede nova negociação com Petrobras

Leia mais: