clique para ir para a página principal

Auxílio emergencial não é sacado por 1,4 milhão de pessoas e R$ 1,3 bilhão volta aos cofres do governo

Atualizado em -

Auxílio emergencial não é sacado por 1,4 milhão de pessoas e R$ 1,3 bilhão volta aos cofres do governo Pixabay
► Guedes diz que só prorroga auxílio emergencial com congelamento de verbas para Educação e Segurança► CNC: Número de brasileiros endividados em 2020 foi o maior em 11 anos

Cerca de 1,4 milhão de pessoas que receberam o auxílio emergencial não sacaram o valor no prazo estipulado, devolvendo R$ 1,3 bilhão para os cofres da União, segundo o Ministério da Cidadania.

De acordo com a Caixa, os valores creditados na conta poupança digital precisam ser movimentados no prazo de até 90 dias, no caso do auxílio emergencial, ou 270 dias, no caso do auxílio emergencial extensão. Para a população que faz parte do Programa Bolsa Família, as parcelam possuem validade de 270 dias. Após esse período, os recursos não utilizados voltam aos cofres do governo.

Com o objetivo de minimizar os efeitos da pandemia causada pelo coronavírus, o auxílio emergencial começou em abril do ano passado e beneficiou 67,9 milhões de pessoas, tendo o custo de R$ 294 bilhões. Foram pagas 5 parcelas iniciais de R$ 600 e depois o governo liberou a extensão com quatro parcelas de R$ 300.

Extensão do programa

Na semana passada, o ministro Paulo Guedes (Economia), afirmou que só prorroga auxílio emergencial com congelamento de verbas para Educação e Segurança.

"A classe política tem de assumir a responsabilidade pelos orçamentos. Se ela apertar o botão vermelho, de emergência, não é só pegar o dinheiro e sair correndo. Tem de fazer todo o protocolo de sacrifício por anos. Se você está em guerra, não tem distribuição de medalha antes de a guerra acabar, ou seja, não pode ter aumento de salário enquanto não passar um, dois anos depois da guerra. Tem de pagar o custo da guerra, não pode empurrar isso para as futuras gerações", disse.

Em mensagem conjunta, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), novos presidentes da Câmara e do Senado, disseram que o Congresso Nacional vai trabalhar de forma “harmônica e colaborativa” para ajudar os brasileiros durante a pandemia Pacheco também já disse que vai conversar com a equipe econômica para tentar encontrar fonte de financiamento.

Relacionados:

► Guedes diz que só prorroga auxílio emergencial com congelamento de verbas para Educação e Segurança► CNC: Número de brasileiros endividados em 2020 foi o maior em 11 anos

Leia mais: