clique para ir para a página principal

Febraban pune correspondentes bancários por incômodo a clientes na oferta do crédito consignado

Atualizado em -

Febraban pune correspondentes bancários por incômodo a clientes na oferta do crédito consignado Getty Images
► Febraban: Concessões de crédito somaram R$ 3,4 trilhões entre março e dezembro de 2020► Febraban informa que crédito deve encerrar 2020 com crescimento de 15,4%

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) anunciou que, em 2020, nove correspondentes bancários foram permanentemente proibidos de oferecer crédito consignado em nome dos bancos. Foram também aplicadas sanções contra outros 238 correspondentes bancários em razão de reclamações de consumidores sobre oferta irregular do produto.

Cento e trinta e quatro correspondentes foram advertidos e 104 tiveram suas atividades suspensas temporariamente. Nos casos em que houve reincidência, os agentes tiveram suas atividades suspensas por prazos que variam entre 5 até 30 dias. Além disso, 9 tiveram a atuação interrompida permanentemente. Os bancos que não aplicarem as sanções poderão ser multados pelo Sistema de Autorregulação por conduta omissiva, cujos valores variam de R$ 45 mil até R$ 1 milhão. As multas arrecadadas serão destinadas a projetos de educação financeira.

”O setor bancário acompanha de perto o trabalho de todos os seus agentes. Atuações que não estejam em linha com as melhores práticas de mercado e que possam trazer prejuízo ou incômodo aos clientes estão sendo punidas. Não compactuamos com nenhuma conduta que viole direitos dos consumidores”, diz Isaac Sidney, presidente da Febraban.

Reclamações

Segundo o Banco Central (BC), no último trimestre de 2020 foram registradas 10,5 mil queixas relacionadas ao crédito consignado – o maior número já registrado no levantamento. O produto foi o campeão de reclamações no ranking do BC, com o triplo de queixas do segundo colocado.

Relacionados:

► Febraban: Concessões de crédito somaram R$ 3,4 trilhões entre março e dezembro de 2020► Febraban informa que crédito deve encerrar 2020 com crescimento de 15,4%

Leia mais: