clique para ir para a página principal

Bolsonaro confirma volta do auxílio emergencial em março e por até quatro meses

Atualizado em -

Bolsonaro confirma volta do auxílio emergencial em março e por até quatro meses Arquivo/Agência Brasil
► Auxílio emergencial não é sacado por 1,4 milhão de pessoas e R$ 1,3 bilhão volta aos cofres do governo► Câmara aprova urgência para projeto de ajuda a empresas do setor de eventos

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (11) que uma nova rodada do auxílio emergencial deve ser paga a partir de março e por um período de até quatro meses.

“No momento, a nossa equipe, juntamente com parlamentares, estuda a extensão por mais alguns meses do auxílio emergencial, que – repito – o nome é ‘emergencial’. Não pode ser eterno porque isso representa um endividamento muito grande do nosso País e ninguém quer o País quebrado”, afirmou o presidente.

Bolsonaro disse que o pagamento do auxílio aos vulneráveis que sofreram impactos causados pela pandemia do coronavírus representa endividamento para o país e que não sabe ao certo o valor.

"Está quase certo, ainda não sabemos o valor, com toda certeza, a partir… com toda certeza, pode não ser, né, a partir de março, 3, 4 meses, isso está sendo acertado, com o Executivo, e com o Parlamento também, porque temos que ter responsabilidade fiscal”, disse.

O benefício, que foi encerrado em dezembro de 2020, deverá ser apenas para pessoas desempregadas durante a pandemia e não deve abarcar os beneficiários do Bolsa Família. A equipe econômica do governo estuda uma alternativa de liberação legal para que o auxílio possa ser pago fora do teto de gastos.

No final de janeiro, o ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou que só prorrogaria auxílio emergencial com congelamento de verbas para Educação e Segurança, e se fosse decretada situação de calamidade.

O presidente da Câmara, Arthur Lira, cobrou publicamente o ministro da Economia para que saia uma nova rodada do auxílio emergencial.

“Urge que o ministro Guedes nos dê com sensibilidade do governo uma alternativa viável para o retorno do benefício", disse Lira.

Relacionados:

► Auxílio emergencial não é sacado por 1,4 milhão de pessoas e R$ 1,3 bilhão volta aos cofres do governo► Câmara aprova urgência para projeto de ajuda a empresas do setor de eventos

Leia mais: