clique para ir para a página principal

Fitch avalia rating da Petrobras em BB-; Petroleiros anunciam protesto contra venda de refinaria na Bahia

Atualizado em -

Fitch avalia rating da Petrobras em BB-; Petroleiros anunciam protesto contra venda de refinaria na Bahia Divulgação | Petrobras
► Petrobras fechou 4º trimestre de 2020 com queda na produção e exportação ► Fundo Mubadala Capital vence disputa por refinaria da Petrobras com proposta de US$ 1,65 bilhão

Nesta quarta-feira (17), a agência Fitch confirmou a sua avaliação para BB- do rating (nível de risco) da Petrobras (PETR4).

Segundo documento distribuído pelo Petrobras ao mercado, a nota tem perspectiva negativa e reflete a opinião da agência sobre as classificações do risco soberano. O rating stand-alone da Petrobras foi avaliado em "bbb", quatro níveis acima do soberano.

"A Fitch destacou a sólida estrutura de capital da companhia, os níveis de dívida em declínio e a forte geração de caixa. A agência salientou também que espera que a Petrobras continue a desalavancar no futuro e a reportar fluxo de caixa livre positivo ao longo do horizonte da classificação", informou a estatal brasileira.

Venda da Rlam

A Federação Única dos Petroleiros (Fup) anunciou para esta quinta-feira (18) um protesto contra a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), na Bahia, para o fundo de investimento árabe Mubadala.

A Petrobras considera abusiva a paralisação anunciada pela Fup e informou que tomará todas as medidas administrativas e jurídicas cabíveis. Segundo a companhia, "a venda da Rlam não acarretará nenhuma perda de direito ou vantagem trabalhista para os empregados da Petrobras".

A estatal brasileira informou na semana passada que o fundo Mubadala fez a melhor oferta final pela Rlam, de US$ 1,65 bilhão, e deverá ser o novo dono da unidade após todos os trâmites de aprovações dos órgãos competentes.

Relacionados:

► Petrobras fechou 4º trimestre de 2020 com queda na produção e exportação ► Fundo Mubadala Capital vence disputa por refinaria da Petrobras com proposta de US$ 1,65 bilhão

Leia mais: