clique para ir para a página principal

Airbus fecha 2020 com prejuízo de 1,1 bilhão de euros

Atualizado em -

Airbus fecha 2020 com prejuízo de 1,1 bilhão de euros Divulgação / Airbus
► Boeing fecha 2020 com prejuízo recorde de quase US$ 12 bilhões ► Voos domésticos da Gol registram alta de 8% em janeiro na comparação com dezembro

A Airbus, fabricante europeia de aviões, anunciou nesta quinta-feira (18) que no ano de 2020 a empresa teve prejuízo de 1,1 bilhão de euros. O resultado no ano foi potencializado pela crise no setor em função da pandemia do coronavírus.

Em meio a essa crise, o grupo ainda registrou uma queda de 29% em seu volume de negócios em 2020. O montante que era de aproximadamente 60 bilhões de euros em 2019 ficou em cerca de 50 bilhões em 2020.

O CEO da Airbus, Guillaume Faury, destacou que os resultados da empresa no ano passado ficaram abaixo das expectativas, muito por conta das restrições de viagens, e a fabricante de aviões teve que adotar medidas drásticas para se adaptar a crise global.

“A crise não acabou. É provável que continue sendo nossa realidade ao longo do ano. As companhias aéreas continuarão a sofrer e a queimar dinheiro”, alerta Faury.

O grupo entregou 566 aeronaves no ano passado - resultado um terço menor que o número de 2019 - e não espera que o setor se recupere rapidamente, demorando alguns anos para atingir resultados anteriores à pandemia.

“Os resultados mostram a resistência da Airbus durante a crise mais dura vivida até hoje pela indústria aeroespacial. Grandes incertezas persistem em nossa indústria em 2021, porque a pandemia continua afetando nossas vidas e nossas sociedades", afirma o CEO da Airbus.

Prejuízo bilionário

Em junho do ano passado, a empresa havia anunciado um corte em 15 mil postos de trabalho. Sendo a Alemanha e a França os países mais afetados, com respectivamente, 5,1 mil e 5 mil desligamentos.

A fabricante teve uma leve redução em seu prejuízo líquido na comparação com o resultado do ano anterior, que foi influenciado por uma multa de 3,6 bilhões de euros, devido a um escândalo de corrupção.

A empresa, com sede em Toulouse, na França, emitiu orientações para 2021, presumindo que não haverá mais interrupções na economia mundial e no tráfego aéreo devido à pandemia do coronavírus. Com base nisso, a empresa visa, pelo menos, o mesmo número de entregas de aeronaves em 2021 do que em 2020 e um Ebit ajustado de 2 bilhões de euros ou mais

Relacionados:

► Boeing fecha 2020 com prejuízo recorde de quase US$ 12 bilhões ► Voos domésticos da Gol registram alta de 8% em janeiro na comparação com dezembro

Leia mais: