clique para ir para a página principal

Setor supermercadista fecha 2020 com alta de 9,36% e tem projeção de crescer 4,5% em 2021

Atualizado em -

Setor supermercadista fecha 2020 com alta de 9,36% e tem projeção de crescer 4,5% em 2021 Pexels

O setor supermercadista brasileiro fechou o ano de 2020 com alta acumulada de 9,36% na comparação com o resultado obtido em 2019. Os dados foram divulgados pelo Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) e apurados pelo Departamento de Economia e Pesquisa da entidade.

Segundo a associação, por ser uma atividade essencial, o seguimento conseguiu obter bons resultados mesmo com a pandemia. Para a entidade, a mudança de hábito dos consumidores em função das medidas de isolamento social e o auxílio emergencial foram importantes para que o setor alcançasse esse resultado.

“Devido às medidas de isolamento social, os brasileiros precisaram mudar seus hábitos, contribuindo com o aumento do consumo dentro do lar. Além disso, os estímulos concedidos pelo governo federal, como o auxílio emergencial, injetaram bilhões na economia, e boa parte desse montante foi gasto no setor”, afirma o vice-presidente da ABRAS, Marcio Milan.

De acordo com os dados divulgados associação, 63% das famílias que receberam o auxílio emergencial destinaram o valor para a compra de alimentos e bebidas.

A entidade ainda explica que, mesmo com números positivos, o ano de 2020 foi desafiador para o seguimento supermercadista. Uma das principais dificuldades para o setor foi a alta no custo operacional, em função da alta do dólar, da inflação e da reestruturação das lojas para garantir os protocolos de segurança de funcionários e clientes.

Projeção para 2021

Em meio a esse cenário, a associação projeta que em 2021 o setor no país continue crescendo, contando com a manutenção de medidas que foram adotadas em 2020, em destaque as vendas online. A ABRAS projeta que o Índice Nacional de Vendas no seguimento cresça 4,5% no atual ano.

Para a ABRAS, as mudanças na infraestrutura, reforma e abertura de lojas, a eficiência energética e o e-commerce serão os principais investimentos para o ano de 2021.

“Estamos otimistas com o início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil e na condução da agenda econômica administrada pelo ministro Paulo Guedes (Economia), com o foco na redução de gastos públicos e na viabilização das importantes reformas estruturais, como tributária e administrativa, de que tanto dependem a retomada e o crescimento da nossa economia”, diz Marcio Milan.

Crescimento das grandes redes supermercadistas

Três grandes redes supermercadistas brasileiras se aproveitaram da alta do setor e tiveram crescimento em seus resultados no ano de 2020. Dos três hipermercados, apenas o Carrefour (CRFB3) divulgou seus números referentes ao último trimestre do ano. Os últimos resultados que foram liberados pelo Grupo Pão de Açúcar (GPA) (PCAR3) e pelo Grupo Mateus (GMAT3) são referentes ao terceiro trimestre do ano passado.

Carrefour

O Carrefour registrou aumento de 47% no lucro líquido do 4º trimestre de 2020 na comparação com 2019. O montante ficou em R$ 935 milhões no período. No último ano, os ganhos da varejista ficaram em R$ 2,76 bilhões, valor 43% maior que o de 2019.

O lucro líquido da empresa, que exclui despesas e outras receitas, cresceu 31,1% no ano, ficando em R$ 886 milhões. O Ebtida ajustado do Carrefour aumentou 18,2% e encerrou o ano em R$ 1,73 bilhão. Segundo a companhia, a receita total de 2020 ficou em R$ 20,7 bilhões. Leia mais na reportagem que o Mercado1Minuto publicou sobre a divulgação do balanço.

Grupo Pão de Açúcar

O GPA registrou lucro líquido de R$ 428 milhões, resultado equivalente a alta de 178,6% em relação ao mesmo período de 2019. A receita bruta da varejista no ano de 2020 ficou em R$ 23,455 bilhões, resultado 61% superior aos R$ 14,571 bilhões obtidos em 2019.

O Ebtida da empresa teve um aumento de 95,9% na comparação com o mesmo período de 2019, saindo de R$ 832 milhões para 1,63 bilhão em 2020. Por sua vez, as despesas com vendas, gerais e administrativas chegaram a R$ 3,121 bilhões no 3T20, resultado 57,4% superior aos R$ 1,983 bilhão registrados nos três meses em 2019.

Grupo Mateus

O Grupo Mateus divulgou que fechou o período de julho a setembro com lucro líquido de R$ 236 milhões, alta de 64,6% em relação ao resultado dos mesmos três meses em 2019. A receita bruta da empresa atingiu R$ 3,9 bilhões, valor 53,5% superior na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior.

O Ebtida ajustado teve crescimento de 65,6%, ficando em R$ 325 milhões. A receita líquida no 3T20 ficou em R$ 3,6 bilhões com o crescimento de 51,6% na comparação anual.

Relacionados:

Leia mais: