clique para ir para a página principal

Governadores articulam compra conjunta de vacinas; EUA aprovam vacina da Johnson&Johnson

Atualizado em -

Governadores articulam compra conjunta de vacinas; EUA aprovam vacina da Johnson&Johnson Johnson&Johnson | Divulgação
► Presidente do Senado sugere mudanças na lei para destravar impasse sobre vacinas contra Covid► Pfizer tem registro definitivo da Anvisa para vacina, mas imunizante não esta disponível no Brasil

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), informou que os estados e o Distrito Federal realizarão compras conjuntas de vacinas. Amanhã, 18 governadores visitarão, em Brasília, a sede da União Química, laboratório que representa no Brasil a vacina russa Sputnik V. A informação foi publicada pelo jornalista Josias de Souza (UOL).

De acordo com Casagrande, os 27 governadores estão comprometidos com o momento.

“Não haverá a formalização de um consórcio. Nossa ideia é comprar cotas proporcionais à população de cada estado. Nenhum estado comprará mais do que o equivalente ao percentual de sua população. Sempre que comprarmos, haverá uma distribuição equitativa de doses. E cada estado pagará a sua cota, fazendo um contrato com o laboratório”, disse Casagrande.

Johnson&Johnson

As autoridades sanitárias dos EUA aprovaram formalmente neste fim de semana a vacina da Johnson&Johnson contra a Covid-19. Este será o terceiro imunizante à disposição do sistema de saúde americano (somando-se aos dos laboratórios Pfizer e Moderna).

A vacina da J&J é a primeira entre as aprovadas nos EUA que exige a aplicação de apenas uma dose. A vacina é de vetor viral não replicante e seu armazenamento deve ser feito em temperatura entre 2 a 8°C (ou seja, pode ficar guardada em qualquer refrigerador comum).

Testes clínicos mostraram que sua eficácia global é de 66% e, nos EUA, de 72%. A duração da sua imunidade, no entanto, ainda é desconhecida.

Nos próximos dias, a Agência Europeia de Medicamentos pode aprovar a vacina da Johnson&Johson, segundo informou neste domingo, 28, a ministra da Indústria francesa, Agnès Pannier-Runacher.

Relacionados:

► Presidente do Senado sugere mudanças na lei para destravar impasse sobre vacinas contra Covid► Pfizer tem registro definitivo da Anvisa para vacina, mas imunizante não esta disponível no Brasil

Leia mais: