clique para ir para a página principal

Poupança tem maior retirada líquida em fevereiro em cinco anos, segundo Banco Central

Atualizado em -

Poupança tem maior retirada líquida em fevereiro em cinco anos, segundo Banco Central Marcelo Casal Jr/ Agência Brasil
► Guedes avalia criar fundo com dividendos da Petrobras para distribuir renda aos mais pobres► Senado aprova, em 1º turno, PEC Emergencial, que viabiliza retomada de auxílio

O Banco Central informou nesta quinta-feira (4) que os investidores retiraram R$ 5,83 bilhões a mais do que depositaram na caderneta de poupança. A retirada líquida é a maior registrada para meses de fevereiro desde 2016, quando os investidores tinham sacado R$ 6,64 bilhões a mais do que tinham depositado. Em fevereiro do ano passado, os brasileiros tinham retirado R$ 3,57 bilhões da caderneta.

Tradicionalmente, o primeiro bimestre do ano é marcado por retiradas expressivas de recursos da caderneta de poupança. O pagamento de impostos e despesas como material escolar e parcelamentos das compras de Natal impactam as contas dos brasileiros no início de cada ano.

Neste ano, o fim do auxílio emergencial intensificou a retirada. Ao longo de oito meses, a Caixa Econômica Federal depositou o benefício em contas poupança digitais, que acumulavam rendimentos se não movimentados. Com o fim do programa, beneficiários que eventualmente conseguiram acumular recursos nas contas poupança passaram a sacar o dinheiro.

Em 2020, a poupança tinha captado R$ 166,31 bilhões em recursos, o maior valor anual da série histórica. Além do depósito do auxílio emergencial nas contas poupança digitais, a instabilidade no mercado de títulos públicos nas fases mais agudas da pandemia de covid-19 atraiu o interesse na poupança, mesmo com a aplicação rendendo menos que a inflação.

Relacionados:

► Guedes avalia criar fundo com dividendos da Petrobras para distribuir renda aos mais pobres► Senado aprova, em 1º turno, PEC Emergencial, que viabiliza retomada de auxílio

Leia mais: