clique para ir para a página principal

XP lança cartão de crédito e pretende chegar a R$ 1,4 trilhão em ativos sob custódia

Atualizado em -

XP lança cartão de crédito e pretende chegar a R$ 1,4 trilhão em ativos sob custódia Divulgação | XP
► Governo anuncia prorrogação do prazo de carência dos empréstimos do Pronampe► Novas regras para investimentos ESG entram em vigor na União Europeia; Temática também cresce no Brasil

A XP divulgou nesta quarta-feira (10) que lançou seu cartão de crédito, como parte de sua estratégia de diversificar a oferta de serviços financeiros e superar R$ 1,4 trilhão em ativos sob custódia, sem ter nenhum novo cliente, simplesmente convencendo os atuais a colocar mais dinheiro no grupo. Em vez do cashback, que devolve uma parte do valor gasto na forma de crédito para novas compras, o produto da XP tem o 'investback', que permite o retorno de 1% em todas as compras e entre 2% e 10% para compras dentro do marketplace, com recursos podendo ser usados para investimento.

"Na prática, um percentual do dinheiro que o cliente gasta com o cartão retorna diretamente através de um fundo de investimentos no qual gera mais rendimentos para ele. Outro ponto importante é o fato de não haver cobrança de anuidade, o que é um diferencial vantajoso para o cliente em relação aos cartões atuais disponibilizados por outros bancos", explica Marcelo Teixeira, Head Comercial da VLG Investimentos.

O cartão será internacional e terá bandeira da Visa. Ele será isento de taxa de anuidade e a taxa de juros são, em média, 50% menores que as praticadas pelo mercado. O chefe de produtos digitais do grupo XP, Bruno Guarnieri, explicou que o cartão cobra, em média, juros de 5,9% no rotativo e de 3,9% no parcelado. “Mas, dependendo da linha, as taxas podem começar em 2% ao mês”, destaca. Ainda para este ano, a XP deve lançar também sua conta digital e cartão de débito.

"Com os novos produtos bancários, temos condições de trazer para a XP uma parcela maior dos recursos de clientes que estão depositados em outras instituições. Só com isso, podemos dobrar nosso volume sob gestão chegando a R$ 1,4 trilhão", afirma o presidente-executivo, Guilherme Benchimol. O executivo ainda completa: "Isso vai obrigar os 'bancões' a terem taxas mais razoáveis, o que vai cada vez mais de encontro aos objetivos da companhia. O cartão é só o começo dos serviços de banking e, muito em breve, vamos ter transferências, conta-corrente e outros serviços e oferecer uma experiência vertical aos nossos clientes”, adianta o CEO.

Com objetivo de evitar fraudes, o cartão não apresentará os números no plástico físico. Já nas compras online, o aplicativo permite ainda que o cliente mude randomicamente o próprio número do cartão.

Relacionados:

► Governo anuncia prorrogação do prazo de carência dos empréstimos do Pronampe► Novas regras para investimentos ESG entram em vigor na União Europeia; Temática também cresce no Brasil

Leia mais: