clique para ir para a página principal

Estudo preliminar aponta eficácia de vacinas de Oxford e Pfizer contra variante brasileira do coronavírus

Atualizado em -

Estudo preliminar aponta eficácia de vacinas de Oxford e Pfizer contra variante brasileira do coronavírus Getty Images
► Treze países europeus interrompem uso da vacina AstraZeneca após relatos de pacientes com coágulo► Fiocruz entrega ao Ministério da Saúde 500 mil vacinas da AstraZeneca produzidas no Brasil

Pesquisadores brasileiros e da Universidade de Oxford apontam, em estudo preliminar, que as vacinas desenvolvidas pela universidade britânica e pela Pfizer são eficazes contra a variante brasileira (P.1), identificada pela primeira vez em Manaus (AM).

De acordo com o estudo, a P.1 foi menos resistente às duas vacinas do que a variante identificada pela primeira vez na África do Sul (B.1351), que também já circula no Brasil. A P.1 também foi menos resistente aos anticorpos surgidos após uma infecção natural pelo coronavírus.

Desde que começaram a circular, as variantes vêm sendo apontadas por cientistas como potencialmente mais transmissíveis e havia preocupação de que as atuais vacinas não fossem eficazes contras essas variantes.

Na pesquisa, foi isolada uma variante P.1 retirada de um paciente brasileiro de Manaus. Eles observaram a interação que essa variante teve com o soro retirado do sangue e anticorpos de pessoas vacinadas com os imunizantes da Oxford, da Pfizer e de pessoas não vacinadas, mas que tiveram Covid no início da pandemia (antes do surgimento das variantes). Depois, os resultados foram comparados aos já observados com as variantes da África do Sul, do Reino Unido e uma “versão” inicial do coronavírus, sem as mutações.

Relacionados:

► Treze países europeus interrompem uso da vacina AstraZeneca após relatos de pacientes com coágulo► Fiocruz entrega ao Ministério da Saúde 500 mil vacinas da AstraZeneca produzidas no Brasil

Leia mais: