clique para ir para a página principal

Carteira total de crédito dos bancos mantém crescimento e deve expandir 0,5% em fevereiro

Atualizado em -

Carteira total de crédito dos bancos mantém crescimento e deve expandir 0,5% em fevereiro Marcelo Camargo / Agência Brasil
► Governo anuncia prorrogação do prazo de carência dos empréstimos do Pronampe► XP lança cartão de crédito e pretende chegar a R$ 1,4 trilhão em ativos sob custódia

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou nesta segunda-feira (22) que o saldo total da carteira de crédito deverá mostrar crescimento de 0,5% em fevereiro, completando o 13º mês consecutivo com desempenho positivo ou estável. Após crescimento por oito meses consecutivos, o ritmo de expansão anual deve mostrar quase estabilidade, com ligeira desaceleração, de 16,0% para 15,9%, mas ainda em um patamar bastante elevado. Isso se deve ao término de algumas medidas de fomento ao crédito para mitigar os efeitos da pandemia da Covid-19, convergindo para um ritmo de mais normalização em linha com o comportamento da atividade econômica. Os dados serão conhecidos no próximo dia 29, quando o Banco Central fará a divulgação dos números oficiais.

“A expansão da carteira de crédito ainda deverá permanecer em um patamar bastante alto, mostrando que mesmo diante da perda de tração da atividade econômica neste início de ano, os bancos continuam irrigando a economia, concedendo crédito para as empresas e famílias”, afirma Rubens Sardenberg, diretor de Economia, Regulação Prudencial e Riscos da Febraban.

As projeções da Pesquisa Especial de Crédito da Febraban são feitas com base em dados consolidados dos principais bancos do país, que representam, dependendo da linha, de 39% a 90% do saldo total do Sistema Financeiro Nacional, além de outras variáveis macroeconômicas que impactam o mercado de crédito. De acordo com a Pesquisa de Crédito da Febraban, o melhor desempenho de fevereiro deverá vir da carteira pessoa física, com estimativa de crescimento de 0,8%, acelerando o ritmo de expansão em 12 meses, de 10,9% em janeiro, para 11,3%. O avanço deve ser liderado pela carteira com recursos direcionados (+0,9%), cuja principal linha, a de crédito imobiliário, segue beneficiada pelas baixas taxas de juros.

A carteira com recursos livres, por sua vez, deve crescer 0,7% em fevereiro, o maior crescimento para o mês desde 2008, sugerindo que, ao menos até o mês passado, foi relativamente baixo o impacto das novas medidas restritivas de circulação sobre o consumo das famílias. Em relação à carteira pessoa jurídica, a pesquisa mostra uma estimativa de alta mais modesta, de 0,2% no mês, com desempenho diferente entre recursos livres e direcionados. Segundo o levantamento, a carteira livre deve crescer 0,8% em fevereiro, enquanto a carteira com recursos direcionados deve recuar 0,8%, refletindo o término dos programas públicos de crédito ligados à pandemia. Em ambos os casos, o ritmo de expansão anual deve perder velocidade, embora permaneça em patamar historicamente alto, acima dos 22%.

Caso os valores se confirmem, as expansões das carteiras seguirão em nível elevado, especialmente a carteira destinada às empresas, que se encontra em seu maior patamar desde 2009. O bom ritmo de expansão tem contribuído de forma significativa para a retomada da atividade econômica, mas, diante de medidas como o término de programas públicos, a volta da cobrança do IOF (imposto sobre operações financeiras) nas operações de crédito e a alíquota maior da CSLL a partir de julho, somadas ao processo de normalização (alta) da Selic, a expectativa é de alguma desaceleração nos próximos meses, fazendo com que a expansão do crédito em 2021 seja mais contida que os 16% registrados em 2020.

Podcast +Q1Minuto

Saiba como a modalidade de Crédito Colateralizado tem ganhado cada vez mais espaço através de diversas instituições financeiras com cobranças de juros menores. Ouça o episódio do podcast +Q1Minuto sobre o tema e entenda como a carteira de ativos do investidor pode ser usada como garantia.

No programa, o Sócio e Economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, exemplifica com casos de empresários que usaram a ferramenta para tomar crédito, pagar dívidas e, inclusive, alavancar seus negócios.

Relacionados:

► Governo anuncia prorrogação do prazo de carência dos empréstimos do Pronampe► XP lança cartão de crédito e pretende chegar a R$ 1,4 trilhão em ativos sob custódia

Leia mais: