clique para ir para a página principal

CNC: Sem vacinação em massa, confiança do comércio cai 1,5% em março

Atualizado em -

CNC: Sem vacinação em massa, confiança do comércio cai 1,5% em março Pixabay
► Marcas esportivas brasileiras se reorganizam em meio a presença de gigantes estrangeiras► Queda no varejo e falta de insumos impedem setor calçadista de crescer com câmbio favorável

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgou nesta segunda-feira (22) que o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) apresentou redução mensal de 1,5% em março e manteve a tendência observada desde o começo do ano. A variação foi a mesma de fevereiro e reflete as dificuldades motivadas pela demora na imunização da população, no pagamento dos benefícios sociais e por conta da economia ainda não entrar numa fase de decolagem (take off).

“A implementação de medidas restritivas e indefinições sobre o novo auxílio emergencial respondem por essa desconfiança do setor. A dependência do varejo presencial ainda é grande, apesar dos avanços na digitalização. Esperamos que haja uma agilidade em relação à vacinação, que é o mais urgente no momento. Mas precisamos também de salvaguardas econômicas e sociais”, avalia o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

Em março, o Icec caiu para 103,6 pontos, mantendo-se na zona superior a 100 pontos, o que reflete relativa satisfação. Os dados, porém, apontam o terceiro sinal negativo no ano e o quarto consecutivo, considerando que em dezembro também houve queda. Na comparação com março de 2020, o indicador da confiança do setor recuou 19,3%. Em relação a outros trimestres, a performance deste começo de ano foi de forte contração (-5,1%). Nos últimos 10 anos, só perdeu para 2014 (-7,6%) e 2015 (-14,2%).

Todos os três componentes do índice apresentaram queda no mês março, com destaque para o que avalia as condições atuais (-4,1%), derrubando a média geral do Icec. Nesse contexto, apenas poucos dos entrevistados pela CNC apontaram que as condições melhoraram (2,7%) no período.

Sem expectativas no curto prazo

Antonio Everton, economista da CNC responsável pelo estudo, cita outros motivos que podem ajudar a explicar o resultado.

“Além das dificuldades provocadas pela pandemia com relação ao mercado, há outros fatores que impactam o negócio do comerciante, como a pressão de custos sobre os preços finais, dólar alto e reajustes nos contratos de aluguel. Com as medidas restritivas e a baixa imunização, parece que estamos ainda em 2020. No curto prazo, o índice tende a se comportar dependente de fatores como esses, oscilando em reação com o humor do consumidor”, explica.

Relacionados:

► Marcas esportivas brasileiras se reorganizam em meio a presença de gigantes estrangeiras► Queda no varejo e falta de insumos impedem setor calçadista de crescer com câmbio favorável

Leia mais: