clique para ir para a página principal

IPO da Mater Dei pode levantar R$ 2 bilhões

Atualizado em -

IPO da Mater Dei pode levantar R$ 2 bilhões Pedro Vilela / Agencia i7
► Intelbras encerra 4T20 com lucro líquido de R$ 206,7 milhões, alta de 190% na comparação com o 4T19 ► Microsoft negocia pagar mais de US$ 10 bilhões pela plataforma Discord

A oferta inicial de ações (IPO) da rede de atendimento hospitalar Mater Dei pode movimentar cerca de R$ 2 bilhões, segundo o prospecto preliminar da operação divulgado nesta terça-feira na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O montante considera a venda integral do lote base ofertado e que cada ação será vendida por R$ 24, no ponto médio da faixa estimativa definida pelos coordenadores, de R$ 21,80 a R$ 26,20 por papel.

Do montante financeiro total estimado, cerca de R$ 1,64 bilhão corresponde à emissão de ações novas, a oferta primária, cujos recursos a Mater Dei pretende usar para aquisições de rivais menores e de startups, além de custear a construção de novos hospitais.

O restante da oferta, coordenada por BTG Pactual, Bradesco BBI, Itaú BBA, JPMorgan e Safra, será de ações detidas na empresa por 14 investidores pessoas físicas, que vão vender uma fatia no negócio.

A fixação do preço por ação na oferta está prevista para 12 de abril, com os papéis estreando no pregão da Bovespa em 14 de abril, negociadas pelo ticker MATD3.

Criada em 1980 e com sede em Belo Horizonte, a Mater Dei tem 1.081 leitos hospitalares distribuídos em três unidades, localizadas na região metropolitana da capital mineira.

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Entenda o que são IPOs

Quando a empresa decide seguir este caminho, uma vez aprovada toda a burocracia necessária na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), ela anuncia a venda de parte de suas ações na bolsa de valores na expectativa de captar novos recursos por um custo mais em conta. O evento do lançamento de um IPO marca a primeira venda de ações de uma empresa. Dependendo do setor que atua, relevância e expectativa do mercado esse lançamento pode movimentar milhões ou até bilhões em um só dia.

Com o caixa cheio com mais dinheiro, a empresa pode expandir operações, comprar concorrentes, ampliar fábricas, adquirir equipamentos, investir em nova tecnologia, e usar até mesmo sanar dívidas.

Entenda mais sobre o universo dos IPOs ouvindo o episódio do podcast +Q1Minuto sobre o crescimento das ofertas disponíveis na B3. Nele o Sócio e Economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, aprofunda o tema e explica com mais detalhes como os investidores podem se orientar sobre os papéis de novas empresas lançados na bolsa de valores.

Relacionados:

► Intelbras encerra 4T20 com lucro líquido de R$ 206,7 milhões, alta de 190% na comparação com o 4T19 ► Microsoft negocia pagar mais de US$ 10 bilhões pela plataforma Discord

Leia mais: