clique para ir para a página principal

Butantan entrega 2,2 milhões de doses da CoronaVac para Programa Nacional de Imunização

Atualizado em -

Butantan entrega 2,2 milhões de doses da CoronaVac para Programa Nacional de Imunização Freepik
► Testes da AstraZeneca apontam que vacina tem 79% de eficácia e não provoca coágulos ► Pfizer pede Anvisa para armazenar vacinas em freezer comum e diz que fará testes em grávidas

Nesta quarta-feira (24), o Instituto Butantan entrega mais 2,2 milhões de doses da CoronaVac ao Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde. A informação foi divulgada pelo Governo de São Paulo, em nota oficial.

Com mais essa quantia de imunizantes entregues, o instituto vai ter fornecido ao programa 27,8 milhões de doses da vacina contra Covid-19. Vale ressaltar que o acordo firmado entre o Ministério da Saúde e o Butantan prevê que o total de doses até final do próximo mês seja de 46 milhões. Até setembro, a projeção é que esse montante chegue em 54 milhões.

Além disso, a pasta e o instituto conversam para um acordo de um lote adicional com mais 30 milhões de doses da vacina.

Fiocruz

Na última terça-feira (23), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou que vai reduzir em cerca de 11 milhões de doses, os imunizantes que seriam entregues ao ministério da Saúde.

Inicialmente, seriam entregues 30 milhões, porém, agora, a fundação deve fornecer para a pasta da Saúde 18,8 milhões.

Até o momento, no país, apenas as vacinas da AstraZeneca e a CoronaVac fazem parte do programa de vacinação no país. Porém, o ministério solicitou que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberasse a importação de 20 milhões de doses da vacina Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech. Esse imunizante ainda não recebeu autorização para uso no país.

Compra de remédios

O Ministério da Saúde concluiu a compra de 2,8 milhões de medicamentos que serão usados na intubação de pacientes com Covid-19.

Segundo a nota da Secretaria de Comunicação do Governo Federal, divulgada nesta quarta-feira, a distribuição desses medicamentos teve início ontem.

“As medidas têm como objetivo conciliar a equalização dos estoques nacionais, respeitando a realidade de cada fabricante, contratos prévios e a necessidade da população brasileira neste momento de pandemia”, afirma a nota.

A aquisição visa fortalecer o combate neste momento em que o Brasil está passando por uma das fases mais críticas da pandemia, tendo alcançado a marca de mais de 3 mil mortes por Covid-19 em um dia.

Relacionados:

► Testes da AstraZeneca apontam que vacina tem 79% de eficácia e não provoca coágulos ► Pfizer pede Anvisa para armazenar vacinas em freezer comum e diz que fará testes em grávidas

Leia mais: