clique para ir para a página principal

Butantan cria vacina contra Covid-19

Atualizado em -

Butantan cria vacina contra Covid-19 Governo de São Paulo | Divulgação
► Pfizer pede Anvisa para armazenar vacinas em freezer comum e diz que fará testes em grávidas► Butantan entrega 2,2 milhões de doses da CoronaVac para Programa Nacional de Imunização

O Instituto Butantan desenvolveu um imunizante contra a Covid-19, com tecnologia 100% nacional. O anúncio foi feito esta manhã em entrevista coletiva. O órgão deve pedir à Anvisa ainda hoje autorização para ensaios clínicos em humanos. A intenção é ter 40 milhões de doses dessa nova vacina até o fim do ano.

A vacina se chama Butanvac e foi desenvolvida pelo instituto por meio de um consórcio internacional do qual ele é o principal produtor, com fornecimento de 85% da capacidade total.

Segundo Dimas Covas, diretor do Butantan, como essa é uma segunda geração de vacinas contra a Covid-19, várias etapas podem ser encurtadas e a análise até a aprovação é mais rápida. Existem pelo menos outros sete estudos de imunizantes no Brasil, todos ainda na fase anterior dos ensaios clínicos.

O pedido de autorização para a Anvisa se refere às fases 1 e 2 de testes da vacina, em que serão avaliadas a segurança e a capacidade de promover resposta imune com 1.800 voluntários. Na fase 3, com até 9.000 indivíduos, é determinada a eficácia. O imunizante já passou pelos testes pré-clínicos, quando são avaliados em animais os efeitos positivos e a toxicidade.

Produção

Covas ainda explicou que, como a Butanvac utiliza uma tecnologia já usada no próprio instituto na vacina contra gripe, o desenvolvimento será ainda mais rápido.

A tecnologia utiliza o vírus inativado de uma gripe aviária (chamada doença de Newcastle), como vetor para transportar para o corpo do paciente a proteína S integral do Sars-CoV-2. A proteína é responsável pela ligação entre o vírus e as células humanas, e ao ser inserida sozinha no corpo estimula a resposta imune.

Outra vantagem, segundo o instituto, é que o seu vetor é criado dentro de ovos embrionados, o que aumenta a velocidade de produção, reduz o custo e dispensa a importação de insumos.

“Entendemos a necessidade de ampliar a capacidade de produção de vacinas contra o coronavírus e da urgência do Brasil e de outros países em desenvolvimento de receberem o produto de uma instituição com a credibilidade do Butantan. Em razão do panorama global, abrimos o leque de opções para oferecer aos governos mais uma forma de contribuir no controle da pandemia no país e no mundo”, afirma Dimas Covas. Segundo ele, a parceria com a a Sinovac será mantida, e não haverá nenhuma alteração no cronograma dos insumos vindos da China.

Relacionados:

► Pfizer pede Anvisa para armazenar vacinas em freezer comum e diz que fará testes em grávidas► Butantan entrega 2,2 milhões de doses da CoronaVac para Programa Nacional de Imunização

Leia mais: