clique para ir para a página principal

AgRural aponta que colheita de soja acelera no Brasil e vai a 71% da área

Atualizado em -

AgRural aponta que colheita de soja acelera no Brasil e vai a 71% da área Paulo Whitaker/ Reuters
► Ipea revisa de 1,5% para 2,2% o PIB agro para 2021► Agronegócio fecha quase 1 milhão de vagas em ano de crescimento recorde

A consultoria AgRural informou nesta segunda-feira (29) que a colheita da safra 2020/21 de soja do Brasil atingiu 71% da área cultivada até a última quinta-feira (25), superando a média de cinco anos para este período. Com avanço de 12 pontos percentuais em uma semana, os trabalhos terminaram acima da marca de 70% vista na média dos últimos anos, embora tenham continuado atrás do ritmo do ano passado, quando alcançavam 76%

"O tempo mais seco favoreceu o avanço das colheitadeiras na maioria dos estados. Em Mato Grosso, a colheita já está praticamente finalizada, mas o excesso de umidade ainda dificulta os trabalhos nos últimos talhões. De todo modo, os problemas de qualidade já diminuíram significativamente", destacou a AgRural.

A consultoria noticiou ainda que enviou a clientes uma revisão de safra na qual manteve sua estimativa de produção de soja do Brasil em 133 milhões de toneladas.

"Embora o excesso de chuva em diferentes momentos do primeiro trimestre do ano tenha resultado em perdas de produtividade em Mato Grosso e no Paraná, os cortes feitos nesses dois Estados foram compensados por rendimentos mais altos em outros, com destaque para o Rio Grande do Sul", noticiou.

Em relação ao milho, a consultoria revelou que a semeadura da segunda safra alcançou na quinta-feira 98% da área estimada para o Centro-Sul do Brasil.

"Apesar do atraso no plantio, a safra se desenvolve bem em toda a região. De todo modo, e com exceção de Mato Grosso, onde continua chovendo com frequência, muitos produtores já se mostram preocupados com a previsão de pouca chuva nesta última semana de março e na primeira semana de abril", finalizou.

Agronegócio em franca expansão

O Sócio e Economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, afirma que o agronegócio segue em franca expansão com um PIB gerado pelo setor em constante crescimento a cada ano.

"Temos no Brasil condições muito favoráveis em relação a outros produtores de commodities agrícolas: como o clima, qualidade da terra, preço da mão de obra, um câmbio depreciado favorecendo a exportação. Essa combinação de fatores leva o agronegócio a ser o melhor setor da economia brasileira e deve continuar sendo por mais tempo", explica Milane.

Outro ponto destacado pelo economista da VLG Investimentos é que não é preciso, necessariamente, ser um produtor rural para lucrar com o agronegócio. Além das possibilidades de investimentos em renda variável através de ações ou derivativos, por exemplo, também é possível aplicar, inclusive, em ativos de renda fixa que são atrelados a produção do setor rural.

"Através das LCAs e dos CRAs, que são bem mais conservadores, também é possível ganhar dinheiro do setor do agronegócio e aproveitar esse bom momento. Afinal de contas, se está num bom momento, ele [o emissor do papel] vai ter dinheiro para pagar os juros. E se o setor vai muito bem, provavelmente, não vai quebrar. No caso das LCAs, inclusive, contam com a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito)", afirma Milane.

Podcast +Q1Minuto

Entenda melhor como lucrar com o crescimento do setor do agronegócio brasileiro. Desde a liberação do crédito ao produtor rural até a possibilidade de rentabilizar a sua carteira com a aplicação em ativos como CRAs, LCAs e Derivativos.

Ouça o episódio do +Q1Minuto sobre como investir no Agronegócio e amplie o seu conhecimento sobre as oportunidades no setor através dos investimentos nas commodities agrícolas.

Relacionados:

► Ipea revisa de 1,5% para 2,2% o PIB agro para 2021► Agronegócio fecha quase 1 milhão de vagas em ano de crescimento recorde

Leia mais: