clique para ir para a página principal

Combinação de negócios entre Hapvida e Notre Dame é aprovada por acionistas

Atualizado em -

Combinação de negócios entre Hapvida e Notre Dame é aprovada por acionistas Pexels
► Fusões e aquisições no setor de Saúde movimentaram US$ 1 bi no Brasil em 2020► Oi fecha quarto trimestre de 2020 com lucro de R$ 1,79 bilhão

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Hapvida (HAPV3) e Notre Dame Intermédica (GNDI3) anunciaram que a combinação de seus negócios foi aprovada pelos acionistas das respectivas companhias.

Segundo o documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa combinada passará a contar com 8,4 milhões de clientes e 70 hospitais espalhados por todo o Brasil. Os acionistas da Hapvida passariam a deter 53,6% do capital social do novo grupo e os da Intermédica ficariam com 46,4%.

A consumação da operação permanece sujeita à verificação de considções suspensivas, incluindo a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Nessa negociação, a Hapvida conta com o BTG Pactual e o Itaú BBA como assessores financeiros e o escritório Pinheiro Neto como assessor legal.

Pelo lado da Notre Dame, o JPMorgan e o Citi são responsáveis pelas questões financeiras e os assessores legais são os escritórios Souza, Mello e Torres, Lefosse e Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga.

Às 14h21, as ações da Hapvida registravam queda de 1,58% a R$ 14,96, enquanto as ações da Notre Dame apresentavam queda de 0,52% a R$ 84,55.

Setor mais inelástico

O Sócio e Economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, destaca que as companhias do setor de Saúde tendem a não sofrerem tanto com os impactos durante crises econômicas. E, no caso da pandemia do coronavírus, muitas companhias que atuam no seguimento tiveram uma alta valorização devido ao aumento pela demanda.

"Empresas do setor da Saúde, normalmente, têm um faturamento muito inelástico. Ou seja, significa que elas têm menos sazonalidade, menos dependência de um setor econômico favorável para que continuem gerando caixa. Afinal de contas, não escolhemos hora para usar serviços de saúde. Pelo contrário, consumimos de maneira aleatória, de forma perene ao longo da vida e numa curva ascendente conforme ficamos mais velhos", explica Milane.

Aprenda mais sobre como aproveitar o crescimento perene de empresas que atuam na área da Saúde ouvindo o episódio do podcast +Q1Minuto sobre o assunto. O Sócio e Economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, mergulha no tema e explica de forma mais ampla como os investidores podem se orientar na escolha de papéis que tornem a carteira de ativos mais resistente ao sobe e desce da bolsa de valores.

Relacionados:

► Fusões e aquisições no setor de Saúde movimentaram US$ 1 bi no Brasil em 2020► Oi fecha quarto trimestre de 2020 com lucro de R$ 1,79 bilhão

Leia mais: