clique para ir para a página principal

Bolsas europeias se recuperam em meio a divulgação de dados sobre confiança na Zona do Euro

Atualizado em -

Bolsas europeias se recuperam em meio a divulgação de dados sobre confiança na Zona do Euro Unplash
► Crédito imobiliário bate recorde em fevereiro e quase dobra em relação ao mesmo período de 2020► Ebit/Nielsen: e-commerce ganhou 13 milhões de novos consumidores no Brasil em 2020

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Nesta terça-feira (30), a sessão é de ganhos para as bolsas europeias, com indicadores de confiança mais fortes na Zona do Euro, enquanto os índices futuros dos EUA operam sem direção definida, em meio à alta do rendimento dos Treasuries e a expectativa do pacote de infraestrutura de US$ 3 trilhões do governo de Joe Biden. No Brasil, há a repercussão da reforma ministerial feita pelo presidente Jair Bolsonaro, além de dados de inflação do Tesouro Nacional.

A respeito dos mercados mundiais, nos EUA, o índice futuro Dow Jones indica alta de 0,12%, enquanto os índices futuros S&P 500 e Nasdaq indicam quedas de 0,12% e 0,60%, respectivamente. A variação na tendência dos índices futuros americanos ocorre após a instabilidade causada pela liquidação de posições no valor de US$ 20 bilhões pelo fundo de hedge Archego (dirigido por Bill Hwang). O movimento afetou não só empresas dos EUA, mas também empresas da China e do Japão, por exemplo. Ainda, o rendimento dos títulos públicos dos EUA superou a marca de 1,76% no início da manhã.

Na Europa, o índice Stoxx 600 futuro indica alta de 0,44%, com a liderança do setor bancário, que tem alta de 1,6%. Por lá foram divulgados dados sobre confiança de empresas e consumidores na Zona do Euro, que atingiram 101 pontos em março, superior à projeção de 96 pontos e ao patamar anterior, de 93,4 pontos.

As bolsas asiáticas apresentam tendência de alta. Segundo dados do Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão, as vendas do varejo recuaram 1,5% em fevereiro em comparação com o mesmo período do ano anterior. Esse desempenho foi melhor do que a esperada queda de 2,8% por analistas. Além disso, foi reaberto o canal de Suez, no Egito, após o desencalhe do navio Ever Given depois de quase uma semana de bloqueio com 400 navios na fila para percorrer a rota.

Sobre as commodities, o petróleo Brent é negociado com queda de 2%, cotado a US$ 60,37 por barril. Os contratos futuros de minério de ferro negociados na bolsa de Dalian (China) fecharam com queda de 0,86%, cotados a US$ 167,27 a tonelada.

No mundo corporativo, o IRB anunciou que Antônio Cássio dos Santos deixou o cargo de diretor presidente da resseguradora, permanecendo no cargo de presidente do conselho de administração. Já a Petrobras demitiu um gerente de alto escalão após constatar que ele negociou ações da companhia nos dias anteriores à divulgação de seus resultados financeiros. Por fim, a Raízen, joint venture entre a Cosan e Royal Dutch/Shell contratou quatro bancos para o IPO. Segundo a Reuters, o IPO deve ser um dos maiores da história do país, levantando cerca de R$ 13 bilhões.

Relacionados:

► Crédito imobiliário bate recorde em fevereiro e quase dobra em relação ao mesmo período de 2020► Ebit/Nielsen: e-commerce ganhou 13 milhões de novos consumidores no Brasil em 2020

Leia mais: