clique para ir para a página principal

IGP-M sobe 2,94% em março – maior índice para o mês desde a criação do Plano Real

Atualizado em -

IGP-M sobe 2,94% em março – maior índice para o mês desde a criação do Plano Real Agência Brasil
► Em ata, BC diz que impacto da pandemia na economia deve ser menor esse ano► BC: Projeção de crescimento do PIB em 2021 fica em 3,6% e estimativa da inflação em 5%

O Índice-Geral de Preços – Mercado (IGP-M), conhecido como “inflação do aluguel”, por ser usado de referência nos contratos de reajuste, subiu 2,94% em março, publicou hoje a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A taxa é a maior para o mês de março desde 1994.

Nos três primeiros meses do ano, o índice já acumula 8,26% e, nos últimos 12 meses, de 31,10% Há um ano, em março de 2020, a alta havia sido de 1,24%, e, em 12 meses, de 6,81%.

”Todos os índices componentes do IGP-M registraram aceleração. No índice ao produtor, os aumentos recentes dos preços das matérias-primas continuam a influenciar a aceleração de bens intermediários (4,67% para 6,33%) e de bens finais (1,25% para 2,50%). Além disso, os aumentos dos combustíveis também contribuíram para o avanço da inflação ao produtor e ao consumidor. Na construção civil, os materiais para a construção seguem em aceleração impulsionados pela alta dos preços dos insumos básicos”, afirma André Braz, coordenador da pesquisa.

Na composição do indicador, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que possui peso de 60% na composição do IGP-M, subiu 3,56% em março, ante 3,28% em fevereiro. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), com peso de 30%, subiu de 0,35% em fevereiro para 0,98% em março. Por fim, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que tem peso de 10% no IGP-M, subiu 2% em março, ante 1,07% no mês anterior.

Relacionados:

► Em ata, BC diz que impacto da pandemia na economia deve ser menor esse ano► BC: Projeção de crescimento do PIB em 2021 fica em 3,6% e estimativa da inflação em 5%

Leia mais: