clique para ir para a página principal

Bolsas reagem a divulgação do pacote de infraestrutura de US$ 3 trilhões nos EUA

Atualizado em -

Bolsas reagem a divulgação do pacote de infraestrutura de US$ 3 trilhões nos EUA Pexels
► SulAmérica aprova aumento de capital e elege novo diretor-presidente► CNC: percentual de famílias endividadas alcança 67,3% em março

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Nesta quarta-feira (31), a sessão deve ser marcada pela repercussão do pacote de infraestrutura de US$ 3 trilhões do presidente dos EUA, Joe Biden, que será divulgado hoje, além de dados de criação de emprego no setor privado por lá. No Brasil, o Ibovespa repercutiu positivamente os dados do Caged e da reforma ministerial, e há expectativa de que, ao se abrir mais espaço ao Centrão, o governo poderia melhorar sua relação com o Legislativo.

Em relação aos mercados mundiais, nos EUA o índice futuro Dow Jones indica queda de 0,11%, enquanto os índices futuros S&P 500 e Nasdaq indicam altas de 0,09% e 0,56%, respectivamente. Na véspera, os índices americanos sofreram pressão da alta do rendimento dos títulos do Tesouro com vencimento de dez anos, que chegaram ao ponto mais elevado em 14 meses, 1,77%. Essa alta ocorre em antecipação à divulgação demais detalhes sobre o pacote de estímulos de infraestrutura do presidente Joe Biden, que pode elevar a perspectiva de inflação e crescimento da economia.

Na Ásia, as bolsas fecharam em baixa em sua maior parte nesta quarta, apesar de os dados oficiais indicarem crescimento da atividade em fábricas na China no mês de março. Na Europa, o índice Stoxx 600 indica alta de 0,13%, com destaque para o setor de telecomunicações, que teve alta de 0,6%.

Em relação às commodities, o petróleo Brent é negociado com queda de 0,19%, a US$ 64,05 por barril. Os contratos futuros de minério de ferro negociados na bolsa de Dalian (China) fecharam com queda de 1,42%, cotados a US$ 162,72 a tonelada.

Cenário Corporativo

A Raia Drogasil anunciou um novo acordo de acionistas, válido por 10 anos e que se inicia em 10 de novembro. Segundo a maior rede de farmácias do país, esse acordo reforma o compromisso de longo prazo das famílias que em conjunto têm 28,3% da companhia. Além disso, esse acordo marca o encerramento do ciclo dos acionistas Guilherme Leal, Luiz Seabra e Pedro Passos como membros do grupo de controle da Raia Drogasil. A companhia afirma que esse acordo tem como objetivo melhorar a governança e preparar a empresa para a estratégia de negócios com elementos do varejo online e telemedicina.

Além disso, a Westwing divulgou prejuízo líquido de R$ 5,357 milhões no quarto trimestre de 2020, piorando a marca negativa de R$ 456 mil do mesmo período do ano anterior.

A Qualicorp reportou lucro líquido de R$ 67,6 milhões para o quarto trimestre do ano passado, o que foi uma alta de 12,4% em relação ao mesmo período de 2019. A Magazine Luiza comprou duas empresas para ampliar sua presença no delivery refeições e alimentos. Os valores ainda não foram divulgados. A primeira é a Tonolucro, plataforma de entrega de comida e itens de supermercado, e a outra é a Grandchef, que vai possibilitar a digitalização de restaurantes com operações ainda analógicas.

Por fim, a Cosan e a Shell estão analisando o IPO da Raízen, joint venture das empresas brasileira e anglo-holandesa.

Relacionados:

► SulAmérica aprova aumento de capital e elege novo diretor-presidente► CNC: percentual de famílias endividadas alcança 67,3% em março

Leia mais: