clique para ir para a página principal

Desemprego no trimestre terminado em janeiro chega a 14,2%, o maior da série histórica

Atualizado em -

Desemprego no trimestre terminado em janeiro chega a 14,2%, o maior da série histórica Agência Brasil
► Desemprego recua para 13,9% no último trimestre, mas taxa média anual é a maior da série histórica► Janeiro tem saldo de 260 mil empregos; o melhor da série histórica

O desemprego no trimestre encerrado em janeiro ficou em 14,2%, segundo dados divulgados hoje pelo IBGE. É a maior taxa para o período na série histórica. No trimestre encerrado em dezembro, o índice foi de 13,9%.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), o número de desempregados no país chegou a 14,3 milhões. Há um ano, esse número era de 11,9 milhões. Já o contingente de pessoas ocupadas aumentou 2% e chegou a 86 milhões. Isso representa 1,7 milhão de pessoas a mais no mercado de trabalho em relação ao trimestre encerrado em outubro.

”Apesar de perder força em relação ao crescimento observado no trimestre encerrado em outubro, a expansão de 2% na população ocupada é a maior para um trimestre encerrado em janeiro. Esse crescimento ainda tem influência do fim de ano, já que novembro e dezembro foram meses de crescimentos importantes”, explica a analista da pesquisa, Adriana Beringuy.

Com o aumento no número de ocupados, o nível de ocupação ficou em 48,7%. A maior parte desse aumento na ocupação veio da população informal. O número de empregados sem carteira assinada no setor privado subiu 3,6% em relação ao trimestre anterior, o que representa um aumento de 339 mil pessoas. Já os trabalhadores por conta própria sem CNPJ aumentaram em 4,8% no mesmo período, totalizando um aumento de 826 mil pessoas. Já os trabalhadores domésticos sem carteira, somam 3,6 milhões de pessoas, após crescerem 5,2% frente ao trimestre anterior.

”A perda de força no crescimento da ocupação vem principalmente da menor expansão na Indústria, no Comércio e na Construção. E em relação à posição na ocupação, o trabalhador por conta própria e o empregado no setor privado sem carteira permanecem sendo aqueles que estão contribuindo mais para o crescimento da ocupação no país”, diz a pesquisadora.

Relacionados:

► Desemprego recua para 13,9% no último trimestre, mas taxa média anual é a maior da série histórica► Janeiro tem saldo de 260 mil empregos; o melhor da série histórica

Leia mais: