clique para ir para a página principal

Qualicorp registra lucro de R$ 67,6 milhões no 4T20

Atualizado em -

Qualicorp registra lucro de R$ 67,6 milhões no 4T20 Freepik
► SulAmérica aprova aumento de capital e elege novo diretor-presidente► Medida abre crédito de R$ 5,3 bilhões para o Ministério da Saúde

A Qualicorp registrou lucro líquido de R$ 67,6 milhões durante o quarto trimestre de 2020, uma alta de 12,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo a operadora de planos de saúde, o resultado ocorreu devido a redução de despesas não-recorrentes e a melhora no resultado financeiro.

De acordo com o relatório da administração, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) teve queda de 23% nas despesas de depreciação e amortização; a empresa concluiu a amortização de algumas aquisições de carteiras e ampliou o contrato de não competição junto ao fundador da Qualicorp.

"Olhando para os próximos trimestres, com o fim das provisões adicionais relacionadas à suspensão de reajuste, nossa expectativa é de retomarmos nossa estratégia de financiar os investimentos em frentes de crescimento, inovação e relacionamento com clientes com economias administrativas e eficiência operacional, de modo a apresentar margens operacionais mais próximas da estabilidade em nosso negócio", infomrou a empresa em seu comunicado.

No ano de 2020, os ganhos somaram R$ 392,1 milhões, montante 5,3% maior em relação ao ano anterior. Já a receita líquida atingiu R$ 551,5 milhões, queda de 0,8% nos três últimos meses do ano passado, ante o mesmo intervalo de 2019. Entre janeiro e dezembro houve avanço de 1,2% para R$ 2,02 bilhões.

A Qualicorp apontou que, em decorrência da redução de 3,2% no total de custos e despesas, o Ebitda cresceu 4,9%, para R$ 158 milhões. No comparativo anual, o montante cresceu para R$ 357,1 milhões.

No último trimestre do ano, a carteira consolidada de beneficiários apresentou um crescimento de 22,8% no segmento coletivo por adesão, mas uma queda de 23,2% em corporativo e outros setores.

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Setor mais inelástico

O Sócio e Economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, destaca que as companhias do setor de Saúde tendem a não sofrerem tanto com os impactos durante crises econômicas. E, no caso da pandemia do coronavírus, muitas companhias que atuam no seguimento tiveram uma alta valorização devido ao aumento pela demanda.

"Empresas do setor da Saúde, normalmente, têm um faturamento muito inelástico. Ou seja, significa que elas têm menos sazonalidade, menos dependência de um setor econômico favorável para que continuem gerando caixa. Afinal de contas, não escolhemos hora para usar serviços de saúde. Pelo contrário, consumimos de maneira aleatória, de forma perene ao longo da vida e numa curva ascendente conforme ficamos mais velhos", explica Milane.

Aprenda mais sobre como aproveitar o crescimento perene de empresas que atuam na área da Saúde ouvindo o episódio do podcast +Q1Minuto sobre o assunto. O Sócio e Economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, mergulha no tema e explica de forma mais ampla como os investidores podem se orientar na escolha de papéis que tornem a carteira de ativos mais resistente ao sobe e desce da bolsa de valores.

Relacionados:

► SulAmérica aprova aumento de capital e elege novo diretor-presidente► Medida abre crédito de R$ 5,3 bilhões para o Ministério da Saúde

Leia mais: