clique para ir para a página principal

Leilão de 22 aeroportos gera R$ 3,3 bilhões para o Governo Federal

Atualizado em -

Leilão de 22 aeroportos gera R$ 3,3 bilhões para o Governo Federal Governo Federal
► Aprovação de novo Marco Legal das Ferrovias pode impulsionar investimentos privados no setor► FMI projeta crescimento de 3,6% na economia brasileira em 2021

O leilão de aeroportos, realizado na B3 nesta quarta-feira (07), garantiu ao governo federal arrecadação inicial de R$ 3,302 bilhões. Foram concedidos 22 aeroportos em 12 estados que foram organizados em três blocos pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac): Norte, Sul e Central.

Os blocos Sul e Central ficaram sob a responsabilidade da Companhia de Participações em Concessões, subsidiária do grupo CCR, por R$ 2,1 bilhões e R$ 754 milhões, respectivamente. Já o bloco Norte (7 aeroportos) foi arrematado pela Vinci Airports por R$ 420 milhões. Ao todo, sete concorrentes participaram da disputa.

Segundo o Ministério da Infraestrutura, o ágio médio foi de 3.822%, o que resultou em uma arrecadação de R$ 3,1 bilhões acima do mínimo fixado pelo edital.

Além do valor à vista, as regras do leilão preveem uma outorga variável, a ser paga a partir do quinto ano de contrato até o fim da concessão. O investimento total nos aeroportos é estimado pelo governo em R$ 6,1 bilhões durante os 30 anos de concessão.

Esse é o segundo leilão realizado durante o governo do presidente Jair Bolsonaro. Em 2019, o governo chegou a arrecadar R$ 2,377 bilhões à vista com a transferência de 12 aeroportos para a iniciativa privada.

Além dos aeroportos, o governo prevê leiloar uma ferrovia e cinco terminais portuários em evento intitulado “Infra Week”. Segundo o Ministério da Infraestrutura, a semana tem potencial de garantir mais de R$ 10 bilhões em investimentos no Brasil.

“Começamos a nossa Infra Week com o pé direito e isso tem que ser celebrado. As vitórias têm de ser celebradas. Temos um desafio importante pela frente. Vamos superar a pandemia e temos o desafio da geração de emprego. O emprego vai vir pela mão do investimento privado, não há outra alternativa porque temos que seguir a nossa trajetória de responsabilidade fiscal, nosso compromisso com a solvência”, afirmou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, no fim do leilão.

Bloco Sul

No bloco Sul, 8 aeroportos foram concedidos:

  • Curitiba (PR)
  • Foz do Iguaçu (PR)
  • Navegantes (SC)
  • Londrina (PR)
  • Joinville (SC)
  • Bacacheri (PR)
  • Pelotas (RS)
  • Uruguaiana (RS)
  • Bagé (RS)

Outorga à vista de R$ 2,1 bilhões com ágio de 1.524%, investimento previsto de R$ 2,8 bilhões e contrato de concessão de 30 anos.

Bloco Central

Para o bloco Central, foram 6 aeroportos:

  • Goiânia (GO)
  • São Luís (MA)
  • Teresina (PI)
  • Palmas (TO)
  • Petrolina (PE)
  • Imperatriz (MA)

Outorga à vista de R$ 754 milhões com ágio de 9.156,01%, investimento previsto de R$ 1,8 bilhão e contrato de concessão de 30 anos.

Bloco Norte

O bloco Norte é composto por 7 aeroportos:

  • Manaus (AM)
  • Porto Velho (RO)
  • Rio Branco (AC)
  • Cruzeiro do Sul (AC)
  • Tabatinga (AM)
  • Tefé (AM)
  • Boa Vista (RR)

Outorga à vista de R$ 420 milhões com ágio de 777,47%, investimento previsto de R$ 1,4 bilhão e contrato de concessão de 30 anos.

Relacionados:

► Aprovação de novo Marco Legal das Ferrovias pode impulsionar investimentos privados no setor► FMI projeta crescimento de 3,6% na economia brasileira em 2021

Leia mais: