clique para ir para a página principal

IPCA: Inflação brasileira fica em 0,93% em março, maior resultado do mês desde 2015

Atualizado em -

IPCA: Inflação brasileira fica em 0,93% em março, maior resultado do mês desde 2015 Antônio Cruz / Agência Brasil
► Ipea estima crescimento de 3% do PIB do Brasil em 2021► FMI projeta crescimento de 3,6% na economia brasileira em 2021

Nesta sexta-feira (9), o IBGE divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Os dados apontaram que em março a inflação no país foi de 0,93%, maior resultado do indicador no mês, desde 2015, quando ficou em 1,32%.

No acumulado de 2021, o indicador de soma variação de 2,05%, já para os últimos 12 meses o acréscimo foi de 6,1%.

Segundo os dados da pesquisa, os dois principais colaboradores para este resultado, foram as altas nos preços de combustíveis e do gás de botijão, que cresceram respectivamente 11,23% e 4,98% no terceiro mês do ano.

“Foram aplicados sucessivos reajustes nos preços da gasolina e do óleo diesel nas refinarias entre fevereiro e março e isso acabou impactando os preços de venda para o consumidor final nas bombas. A gasolina nos postos teve alta de 11,26%, o etanol, de 12,59% e o óleo diesel, de 9,05%. O mesmo aconteceu com o gás, que teve dois reajustes nas refinarias nesse período, acumulando alta de 10,46%, e agora o consumidor percebe esse aumento”, explica o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

A gasolina foi o item que contribuiu com o maior impacto no IPCA de março, registrando aceleração de 0,60 ponto percentual. Entre os 16 locais pesquisados, o que registrou menor variação foi São Luís (Maranhão), com alta de 6,32%. Já o Rio de Janeiro foi o que teve maior aumento, crescendo 14,45%.

Em relação aos alimentos, a inflação vem registrando desaceleração na alta. Apesar do aumento do preço, a alta é menor a cada mês. Em março a variação foi de 0,13%, contra 1,74% em dezembro, 1,02% em janeiro e 0,27% em fevereiro.

“Os alimentos tiveram alta de 14,09% em 2020, mas, desde dezembro, apresentam uma tendência de desaceleração. Alguns fatores contribuem para isso, como uma maior estabilidade do câmbio e a redução na demanda por conta da suspensão do auxílio emergencial nos primeiros meses do ano”, comenta Kislanov.

Relacionados:

► Ipea estima crescimento de 3% do PIB do Brasil em 2021► FMI projeta crescimento de 3,6% na economia brasileira em 2021

Leia mais: