clique para ir para a página principal

Acionistas da Petrobras aprovam destituição de Castello Branco

Atualizado em -

Acionistas da Petrobras aprovam destituição de Castello Branco Bruno Santos/ Folhapress
► Petrobras divulga segunda redução no preço do diesel a partir de sábado ► Bolsonaro sanciona proposta da Câmara para novo marco legal do gás natural

A assembleia de acionistas da Petrobras (PETR3; PETR4) aprovou nesta segunda-feira (12) a destituição de Roberto Castello Branco como membro do Conselho de Administração da petroleira.

A demissão de Castello Branco se arrastava desde fevereiro, quando sua saída foi determinada pelo presidente Jair Bolsonaro. A saída abre espaço para a entrada do general da reserva Joaquim Silva e Luna, indicado por Bolsonaro para substituir o executivo no conselho e na presidência da estatal.

A destituição foi aprovada com 52,28% dos votos. Durante a votação, o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, a Previ; a gestora de recursos dos clientes do Banco do Brasil, a BB DTVM; e o fundo de renda variável da Caixa Econômica Federal (CEF) se abstiveram de votar pela destituição de Castello Branco. O BNDESPar (braço de investimentos do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES), seguindo a União, votou a favor.

A destituição de Castello Branco, durante assembleia extraordinária nesta segunda-feira, acarretou na destituição de outros sete membros do colegiado, cujas vagas devem ser preenchidas ainda no mesmo encontro, feito de forma virtual devido à pandemia. Os acionistas deverão votar ainda a indicação de Silva e Luna para o conselho.

Como ainda não há data para a reunião dos novos membros, é possível que, por um curto espaço de tempo, o presidente do conselho, Eduardo Bacellar, acumule também a presidência executiva da empresa interinamente.

Às 17h09, as ações PETR3 apresentavam alta de 1,02% a R$ 23,74, enquanto PETR4 apresentavam alta de 1,01% a R$ 23,89.

Relacionados:

► Petrobras divulga segunda redução no preço do diesel a partir de sábado ► Bolsonaro sanciona proposta da Câmara para novo marco legal do gás natural

Leia mais: