clique para ir para a página principal

Petrobras oficializa general Joaquim Silva e Luna para a presidência da empresa

Atualizado em -

Petrobras oficializa general Joaquim Silva e Luna para a presidência da empresa Gilberto Alves
► Acionistas da Petrobras aprovam destituição de Castello Branco► Diesel da Petrobras terá alta média de 3,8% na sexta; gasolina subirá 1,9%

Em reunião realizada nesta sexta-feira (16), o Conselho de Administração da Petrobras aprovou a indicação do general Joaquim Silva e Luna ao cargo de presidente da estatal. Ele foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para substituir Roberto Castelo Branco.

Silva e Luna foi integrado ao Conselho de Administração da Petrobras na segunda-feira (12). Era o primeiro passo para que ele pudesse assumir o comando da empresa.

Além da nomeação de Silva e Luna, a reunião desta sexta-feira também nomeou os diretores das principais áreas da companhia. São eles:

  • Rodrigo Araujo Alves para o cargo de Diretor Executivo Financeiro e de Relacionamento com Investidores;
  • Cláudio Rogério Linassi Mastella para o cargo de Diretor Executivo de Comercialização e Logística;
  • Fernando Assumpção Borges para o cargo de Diretor Executivo de Exploração e Produção;
  • João Henrique Rittershaussen para o cargo de Diretor Executivo de Desenvolvimento da Produção;
  • Nicolás Simone como Diretor Executivo de Transformação Digital e Inovação; (reconduzido ao cargo)
  • Roberto Furian Ardenghy como Diretor Executivo de Relacionamento Institucional e Sustentabilidade; (reconduzido ao cargo)
  • Rodrigo Costa Lima e Silva como Diretor Executivo de Refino e Gás Natural (reconduzido ao cargo).

Para a escolha dessa nova equipe de diretores, Silva e Luna disse que sua intenção foi valorizar as “pratas da casa sem indicações políticas” de forma a fazer uma transição tranquila. Esses diretores colocaram os cargos à disposição em meio ao processo de demissão de Roberto Castello Branco.

Joaquim Silva e Luna

Silva e Luna é general da reserva do Exército e atuava, até agora, como presidente da usina binacional de Itaipu, cargo que ocupava desde 2019.

Durante o governo Temer, ele foi o primeiro militar a comandar o Ministério da Defesa.

Atuando em Brasília, foi diretor de patrimônio (2004-2006), chefe do gabinete do comandante do Exército (2007-2011) e chefe do Estado-Maior do Exército (2011-2014). Ele também atuou na Missão Militar Brasileira de Instrução no Paraguai e também foi adido em Israel de 1999 a 2001.

Relacionados:

► Acionistas da Petrobras aprovam destituição de Castello Branco► Diesel da Petrobras terá alta média de 3,8% na sexta; gasolina subirá 1,9%

Leia mais: