clique para ir para a página principal

Acima das expectativas, Vale divulga lucro recorde de R$ 30,5 bilhões no 1T21

Atualizado em -

Acima das expectativas, Vale divulga lucro recorde de R$ 30,5 bilhões no 1T21 Adriano Machado | Reuters
► Produção de minério da Vale atinge 68 milhões de toneladas no 1T21; alta de 14%► Ciclo de alta das commodities impulsiona Ibovespa

A Vale divulgou na noite desta segunda-feira (26) que registrou lucro líquido de R$ 30,5 bilhões no 1T21. Comparado ao mesmo período do ano passado - quando a mineradora reportou ganhos de R$ 984 milhões - o aumento no resultado superou 3.000%. Em todo o ano de 2020, a companhia teve lucro de R$ 26,7 bilhões.

Segundo o balanço divulgado, o Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da companhia foi de R$ 45,74 bilhões, neste primeiro trimestre de 2021. E a receita líquida, entre janeiro e março de 2021, mais que dobrou (121,8%) e chegou a R$ 69,3 bilhões. No mesmo trimestre de 2020, o resultado foi de R$ 31,3 bilhões.

A Vale destacou que o preço médio negociado pelo minério de ferro foi de US$ 155,5 (cerca de R$ 845), em média, por tonelada, 19% acima do quarto trimestre de 2020. O aumento pela demanda da commodity no mercado internacional e a alta recorde no preço levaram a mineradora brasileira a ampliar a produção.

"O lucro líquido foi de US$ 5,546 bilhões no 1T21, ficando US$ 4,807 bilhões acima do 4T20, principalmente devido às despesas de Brumadinho, aos encargos de impairment nos ativos dos negócios de níquel e carvão, ambos no 4T20, e ao maior resultado financeiro, apesar do impacto da desvalorização cambial do Real em 9,6% na marcação a mercado de nossas posições de derivativos", informou em documento ao mercado.

Produção

O cenário de aumento na produção foi possível devido a uma retomada gradual das operações nos complexos Timbopeba, Fábrica e Vargem Grande, a melhoria no desempenho de operações no Pará e ao aumento das compras de terceiros.

Em contrapartida, foi impactada negativamente a produção pelo menor desempenho no complexo de Itabira, em Minas Gerais, que enfrenta restrições por conta de rejeitos de mineração.

No balanço divulgado, a empresa aponta que terminou o trimestre com dívida bruta de US$ 12,1 bilhões (R$ 66 bilhões), US$ 1,2 bilhão (R$ 6,5 bilhões) inferior a 31 de dezembro de 2020 - após resgate de 750 milhões de euros (aproximadamente R$ 5 bilhões) em títulos da dívida.

"Estou confiante de que nossos resultados financeiros positivos refletem nossa consistência no cumprimento de nossas promessas do de-risking [redução dos riscos] da Vale. Nos primeiros três meses do ano, o Acordo Global de Brumadinho entrou em vigor em um processo conduzido com transparência, legitimidade e segurança jurídica. No mesmo período, concluímos a venda de nossas operações da Vale Nova Caledônia, um marco importante no desinvestimento de ativos non-core e, logo em seguida, nosso Conselho de Administração aprovou um programa de recompra de ações", ressaltou Eduardo Bartolomeo, Diretor-Presidente da multinacional.

Relacionados:

► Produção de minério da Vale atinge 68 milhões de toneladas no 1T21; alta de 14%► Ciclo de alta das commodities impulsiona Ibovespa

Leia mais: