clique para ir para a página principal

IBGE: Prévia da inflação fica em 0,6% no mês de abril

Atualizado em -

IBGE: Prévia da inflação fica em 0,6% no mês de abril Rovena Rosa / Agência Brasil
► Varejo brasileiro fecha mês de fevereiro com crescimento de 0,6% em relação a janeiro ► Índice Cielo: Impactos da pandemia sobre comércio persistem e varejo recua 10,1% em março

O IBGE divulgou nesta terça-feira (27) o índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), prévia da inflação oficial. Os dados apontaram que o indicador ficou em 0,6% em abril, 0,33 ponto percentual abaixo do resultado registrado em março (0,93%).

No somatório do ano, o IPCA-15 acumula aceleração de 2,82% e em 12 meses o aumento foi de 6,17%, ficando acima dos 5,52% que foram registrados nos 12 meses anteriores.

Com um avanço de 1,76%, o segmento de transportes se manteve como principal influenciador para o índice de inflação, representando 0,36 ponto percentual do resultado.

Depois de seguidos reajustes nas refinarias em fevereiro e março, houve duas quedas no preço da gasolina no final do último mês, e o indicador apontou um recuo no preço dos combustíveis.

A gasolina que registrou crescimento de 5,49% na comparação entre os meses, segue como o item com maior impacto no IPCA-15. Outros produtos que registraram alta foram: óleo diesel (2,54%) e o etanol (1,46%).

Em relação ao setor de alimentos, o crescimento de abril em relação a março foi de 0,36%. O pão francês e o leite, cresceram 1,73% e 1,75%, respectivamente, e as carnes registraram alta de 0,61%. Já outros alimentos como cenoura (-13,58%), batata-inglesa (-5,03%), frutas (-2,91%) e arroz (-1,44%) ficaram mais baratos no quarto mês do ano.

Na área da saúde e cuidados pessoais, o reajuste foi de 10,08%, com dependência classe terapêutica, que acabou impactando diretamente o preço dos produtos farmacêuticos, que cresceram 0,53%.

Segundo os dados divulgados, todas as regiões que participaram do levantamento registraram variação positiva neste mês. Brasília foi responsável pela maior variação com crescimento de 0,98%, já a região metropolitana de Belém com aceleração de 0,39% foi responsável pela menor variação.

Relacionados:

► Varejo brasileiro fecha mês de fevereiro com crescimento de 0,6% em relação a janeiro ► Índice Cielo: Impactos da pandemia sobre comércio persistem e varejo recua 10,1% em março

Leia mais: