clique para ir para a página principal

Leilão da Cedae vende três blocos e arrecada R$ 22,7 bilhões

Atualizado em -

Leilão da Cedae vende três blocos e arrecada R$ 22,7 bilhões Agência O Globo
► União cobriu R$ 13,33 bilhões de dívidas de estados em 2020► Governo Central tem superávit primário de R$ 2,1 bilhões em março

Realizado nesta sexta-feira (30), na sede da B3, em São Paulo (SP), o leilão de concessão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) arrecadou R$ 22,7 bilhões. O ágio médio, diferença entre o lance mínimo fixado e a soma dos lances que arremataram os blocos, foi de 113%. O valor obtido será dividido entre o Estado, 29 municípios do Rio de Janeiro e o Fundo Metropolitano.

O consórcio Aegea foi o vencedor do leilão do Bloco 1 com lance de R$ 8,2 bilhões. Este bloco é composto pela Zona Sul e mais 18 municípios, e a outorga mínima era de R$ 4,036 bilhões. O ágio ficou em 103,13%. O Bloco 4 contou com a vitória da Aegea com oferta outorga de R$ 7,2 bilhões. O ágio foi de 188% sobre o valor mínimo.

O Bloco 2, por sua vez, foi arrematado pelo consórcio Iguá com o lance de R$ 7,286 bilhões. Este bloco inclui a Barra da Tijuca, Jacarepaguá e mais 2 municípios. O ágio da proposta foi de 129,68%.

O Bloco 3 contava apenas com a proposta escrita da Aegea mas, em virtude da vitória no Bloco 1, o consórcio poderia optar pela retirada da proposta pelo Bloco 3. Assim, a licitação para o Bloco 3 foi deserta e a operação segue com a Cedae.

A Equatorial (EQTL3), que era uma das promessas do leilão, não foi a vencedora em nenhum dos blocos, o que fez com que os papéis intensificassem as perdas: às 16h23, as ações EQTL3 caíam 3,55%.

Para recuperar o setor, os 2 operadores privados vencedores deverão investir diretamente cerca de R$ 28 bilhões, sendo R$ 12 bilhões nos próximos 5 anos. O período de concessão é de 35 anos.

A meta é que, até 2033, seja possível ampliar de 86,7% para 99% o abastecimento regular de água nas cidades atendidas pela Cedae.

Pela modelagem feita pelo BNDES, os serviços upstream – captação, tratamento e adução de água – continuarão sob controle da Cedae. A estatal venderá a água tratada para as concessionárias, responsáveis pela parte de downstream – reservatórios e distribuição de água, além de toda a coleta e tratamento de esgoto.

A previsão é que as concessionárias assumam os serviços até o início do segundo semestre.

Relacionados:

► União cobriu R$ 13,33 bilhões de dívidas de estados em 2020► Governo Central tem superávit primário de R$ 2,1 bilhões em março

Leia mais: