clique para ir para a página principal

1T21: Caixa Econômica lucra R$ 4,6 bilhões, alta de 50,3% na comparação anual

Atualizado em -

1T21: Caixa Econômica lucra R$ 4,6 bilhões, alta de 50,3% na comparação anual THIAGO LEMOS/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
► Caixa Seguridade movimenta R$ 5 bilhões em IPO► BTG Pactual lucra R$ 1,1 bilhão no 1T21, alta de 51,7%

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

A Caixa Econômica Federal divulgou seu balanço referente ao 1º trimestre de 2021 nesta quarta-feira (12). Segundo o relato, a estatal registrou lucro líquido de R$ 4,6 bilhões, alta de 50,3% na comparação anual.

Na comparação trimestral, o valor corresponde a uma retração de 19,2%.

Ao comentar o balanço do primeiro trimestre em videoconferência, algumas horas após a divulgação, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, comemorou o resultado "muito sólido" e "recorde de todos os tempos".

A Caixa teve uma receita de R$ 9 bilhões com operações de crédito imobiliário, um aumento de 10,5% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. Esse tipo de operação é responsável por 52,3% de toda a receita com operações de crédito do banco.

A Caixa registrou, no primeiro trimestre deste ano, um saldo de R$ 518,4 bilhões em crédito imobiliário, com 5,7 milhões de contratos e 68,2% de participação no mercado. Entre o início de janeiro e o fim de março, o banco fechou 134,8 mil novos contratos de financiamento imobiliário. Nesse ponto, o destaque foi a alta de 103,1% em um ano nos contratos pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), cuja carteira chegou a R$ 16,2 bilhões.

Enquanto isso, a carteira de crédito ampliada finalizou o 1º trimestre do ano com saldo de R$ 799,6 bilhões, cifra 14,3 maior em comparação ao mesmo período de 2020.

As receitas com a prestação de serviços e tarifas no primeiro trimestre deste ano foram de R$ 5,7 bilhões, queda de 1,9% na comparação com o mesmo período do ano passado. Nesse campo, as maiores reduções foram nas receitas com convênios e cobranças (25,1%), fundos de investimentos (7,2%) e conta corrente (7%). Por outro lado, as receitas com seguros subiram 376,3%.

"Já é um impacto do Pix, isso é um impacto real. E o impacto também que tivemos de algumas questões da volta do auxilio emergencial", disse Guimarães sobre as causas da retração na receita com serviços e tarifas.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE, na sigla em inglês) ficou em 16,33%, alta de 1,14 ponto percentual no comparativo trimestral.

Relacionados:

► Caixa Seguridade movimenta R$ 5 bilhões em IPO► BTG Pactual lucra R$ 1,1 bilhão no 1T21, alta de 51,7%

Leia mais: