clique para ir para a página principal

Dólar sobe e Ibovespa Futuro acumula perdas após inflação dos EUA subir acima do previsto

Atualizado em -

Dólar sobe e Ibovespa Futuro acumula perdas após inflação dos EUA subir acima do previsto Envato
► IPCA subiu 0,31% em abril puxado pelo reajuste de medicamentos, aponta IBGE► Com mudanças, projeto que cria marco legal das startups é aprovado na Câmara

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Nesta quarta-feira (12), a sessão é de perdas para os índices futuros dos EUA, com as atenções se voltando aos dados de inflação ao varejo no país; há temores de que a inflação acelere e obrigue o Federal Reserve a subir os juros antes do que é precificado pelo mercado. Por aqui, atenção para a temporada de resultados, com destaque para Marfrig (MRFG3), Carrefour (CRFB3), SulAmérica (SULA11), entre outras companhias.

Ainda em destaque, está a repercussão do relatório preliminar da medida provisória de privatização da Eletrobras (ELET6) apresentado na terça-feira (11) pelo deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), que prevê alocar parte dos recursos gerados pela desestatização aos consumidores cativos de energia, que aliviaria tarifas de consumidores residenciais, principalmente.

Sobre os mercados mundiais, nos EUA os índices futuros Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq indicam quedas de 0,27%, 0,32% e 0,59%, respectivamente. Ontem, as ações do setor de tecnologia nos Estados Unidos voltaram a cair, em meio ao temor sobre alta da inflação impulsionada pelos preços das commodities. O movimento dos papéis de tecnologia incitou vendas no mercado como um todo, mas voltaram a se recuperar antes do fechamento. O índice Dow Jones perdeu 1,4%; o S&P caiu 0,9%; e o Nasdaq chegou a perder 2% em seu ponto mais baixo durante a sessão, mas fechou com recuo de apenas 0,1%. Durante a sessão, o índice CBOE de Volatilidade, que funciona como uma medida sobre o temor dos mercados, chegou a 23,73 pontos, níveis que não eram vistos havia dois meses. Investidores aguardam a divulgação nesta quarta de dados sobre inflação nos Estados Unidos. A expectativa de analistas ouvidos pela Dow Jones é de aumento de 0,2% no índice de preços ao consumidor relativo a abril em relação ao mês imediatamente anterior, e uma alta de 3,6% em relação ao ano anterior. Caso se confirme esta será a maior alta desde setembro de 2011.

Na Ásia, as bolsas fecharam em quedas, em sua maioria, na quarta. Em Taiwan, autoridades afirmaram que podem elevar o nível de alerta contra a Covid nos próximos dias, depois de a ilha passar por um surto de seis novos casos, sem que seja possível determinar com clareza a fonte de infecção. Na terça, a China divulgou dados sobre inflação que mostraram que os preços de vendas nas fábricas subiram em um abril em seu ritmo mais forte em 3,5 anos, enquanto que os preços aos consumidores subiram em um ritmo mais fraco. Isso fortaleceu a preocupação de que uma rápida alta dos preços possa forçar os bancos centrais a elevar suas taxas de juros e a implementar outras medidas de arrocho. Na Coreia, o índice Kospi recuou 1,49%. O índice Shanghai composto, da China continental, fechou com queda de 0,61%; o componente Shenzhen, também da China continental, subiu 0,7%; e o Hang Seng Index, de Hong Kong, subiu 0,67%. Na Europa, o índice Stoxx 600 futuro indica queda de 2,10%. Foram divulgados dados sobre o PIB do Reino Unido, que caiu 1,5% no primeiro trimestre em comparação com o trimestre imediatamente anterior, melhor do que a estimativa de analistas, de queda de 1,6%. No trimestre anterior, o PIB avançara 1,3% na mesma comparação. Na comparação anual, o PIB do primeiro trimestre recuou 6,1%, em linha com a projeção de analistas. No trimestre anterior, o recuo havia sido de 7,3% na mesma comparação.

No Brasil, o último pregão de ações encerrou em alta de 0,87%, a 122.964 pontos e volume negociado de R$ 30,23 bilhões.

Sobre as commodities, o petróleo Brent é negociado com alta de 1,23%, a US$ 69,39 o barril. Os contratos futuros de minério de ferro negociados na bolsa de Dalian (China) encerraram em alta de 2,85%, a US$ 207,55 a tonelada.

Cenário Corporativo

No contexto corporativo, A Marfrig Global Foods (MRFG3) reverteu um prejuízo de R$ 137 milhões obtido no primeiro trimestre de 2020 e marcou lucro líquido de R$ 279 milhões entre janeiro e março deste ano, impulsionada por fortes resultados na operação da América do Norte que compensaram adversidades ocorridas sobretudo no Brasil, conforme balanço divulgado ontem.

Já a seguradora e administradora de recursos de terceiros SulAmérica (SULA11) teve queda no lucro do primeiro trimestre, refletindo maiores custos ligados à Covid-19. A companhia anunciou nesta terça-feira que seu lucro das operações continuadas de janeiro a março somou R$ 54 milhões, montante 22,8% inferior ao de um ano antes.

Também como destaque, o Carrefour Brasil (CRFB3) teve lucro líquido de R$ 420 milhões no primeiro trimestre, crescimento de 4,7% ante mesmo período de 2020, impulsionado por maiores vendas em suas divisões de supermercados e atacarejo e controle de gastos.

Além disso, a BR Distribuidora (BRDT3) reportou um lucro líquido de R$ 492 milhões no primeiro trimestre de 2021, número acima dos R$ 478 milhões projetados pelos analistas de mercado segundo dados compilados pela Refinitiv. Com o resultado, a distribuidora de combustíveis teve um desempenho 110,3% melhor que o do mesmo período do ano passado.

Ainda, a Telefônica Brasil (VIVT3) teve lucro líquido de R$ 942 milhões no primeiro trimestre, queda de 18% ante mesmo período de 2020, diante de maiores despesas financeiras e depreciação. A companhia também anunciou que assinou memorando de entendimento vinculante com a Teledoc Health para criar uma plataforma de telemedicina no Brasil chamada de Vida V, que será lançada nos próximos meses.

Já a operadora de planos de saúde Notre Dame Intermédica (GNDI3) apresentou no primeiro trimestre de 2021 prejuízo de R$ 27,9 milhões, revertendo o lucro observado um ano antes, de R$ 160,4 milhões.

O Banco Inter (BIDI11) também divulgou seus resultados, e teve lucro de R$ 20,8 milhões no primeiro trimestre, ante o prejuízo de R$ 8,4 milhões registrado no primeiro trimestre do ano passado.

Por fim, a Espaçolaser (ESPA3) teve lucro líquido ajustado de R$ 31,65 milhões no primeiro trimestre de 2021, em crescimento de 29,8% na comparação anual. O Ebitda ajustado foi de R$ 61,58 milhões, o que representa uma expansão de 5,5% na comparação anual. A receita líquida, por sua vez, foi de R$ 176,78 milhões, em um aumento de 2,1% na base anual.

Depois do fechamento desta quarta, devem ser divulgados os resultados da 3R Petroleum (RRRP3), Aeris (AERI3), Aliansce Sonae (ALSO3), Ambipar (AMBP3), Banrisul (BRSR6), D1000 Varejofarma (DMVF3), EDP Brasil (ENBR3), Positivo (POSI3), Suzano (SUZB3), BRF (BRFS3), Cia. Hering (HGTX3), Eletrobras (ELET6), Eneva (ENEV3), Hapvida (HAPV3), JBS (JBSS3), MRV Engenharia (MRVE3), Natura & Co (NTCO3), Suzano (SUZB3), Via Verejo (VVAR3) e Yduqs (YDUQ3).

Relacionados:

► IPCA subiu 0,31% em abril puxado pelo reajuste de medicamentos, aponta IBGE► Com mudanças, projeto que cria marco legal das startups é aprovado na Câmara

Leia mais: