clique para ir para a página principal

Terra Santa Agro registra prejuízo de R$ 38,3 milhões no 1º trimestre

Atualizado em -

Terra Santa Agro registra prejuízo de R$ 38,3 milhões no 1º trimestre Divulgação | Terra Santa Agro
► Acesso a linhas de créditos rurais ajuda produtores a investirem em novas safras► Lucro da BrasilAgro avança 456% no primeiro trimestre de 2021

(Estadão Conteúdo) - A Terra Santa Agro (TESA3), uma das maiores produtoras de grãos e fibras do país, registrou prejuízo líquido de R$ 38,3 milhões no primeiro trimestre de 2021 em comparação com lucro líquido de R$ 11,8 milhões em igual período de 2020. Segundo a companhia, essa diferença decorre, principalmente, da piora no resultado operacional da soja na safra 2020/21 por causa da redução da área plantada em 30,4% e queda na produtividade da cultura em 9,5% e do aumento das despesas operacionais diante do pagamento do bônus para colaboradores e diretores.

Além disso, a piora do resultado financeiro pode ser atribuída também ao aumento das despesas financeiras (juros sobre arrendamentos e juros sobre financiamentos) e pelo resultado negativo de derivativos, e da redução do IRPJ/CSLL (diferido).

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado no primeiro trimestre foi de R$ 73,5 milhões (R$ 24,8 milhões provenientes da safra 2019/20 e R$ 48,7 milhões provenientes da safra 2020/21), ante R$ 97,3 milhões positivos no 1T120 (R$ 37,3 milhões provenientes da safra 2018/19 e R$ 60,0 milhões provenientes da safra 2019/20).

A receita líquida da companhia teve impacto das pelas receitas advindas da safra 2019/20 e da safra 2020/21. A receita líquida proveniente da safra 2019/20 totalizou R$ 232,3 milhões, valor 59,9% superior à receita líquida da safra 2018/19 registrada no 1T20, em decorrência, principalmente, da receita líquida dos produtos que foi 76,3% superior.

Já a receita líquida proveniente da safra 2020/21 totalizou R$ 390,9 milhões, valor 7,8% superior à receita líquida da safra 2019/20 registrada no 1T20, em decorrência, principalmente, da avaliação do ativo biológico apropriado à receita.

Comparativamente ao quarto trimestre de 2020, o endividamento financeiro da companhia apresentou uma redução de 5,6% em real, passando de R$ 1.097,9 milhões em 31 de dezembro de 2020 para R$ 1.079,8 milhões em 31 de março de 2021, "reflexo da amortização de principal ocorrida no trimestre, compensada parcialmente pela variação cambial na dívida bancária da companhia".

A Terra Santa Agro informa, ainda, que "o cronograma da transação com a SLC segue em implementação com o 'closing' previsto para o mês de julho".

Relacionados:

► Acesso a linhas de créditos rurais ajuda produtores a investirem em novas safras► Lucro da BrasilAgro avança 456% no primeiro trimestre de 2021

Leia mais: