clique para ir para a página principal

BC pode ir em direção a juro neutro com mudança de cenário, diz Campos Neto

Atualizado em -

BC pode ir em direção a juro neutro com mudança de cenário, diz Campos Neto Flickr/Banco Central do Brasil
► O que muda com a autonomia do Banco Central?► Brasil deverá ter moeda digital emitida pelo Banco Central

Roberto Campos Neto afirmou que a meta de inflação é missão do Banco Central e será cumprida.

“A gente está dizendo que, com os instrumentos que a gente tem hoje, a modelagem que nós temos, o correto era começar mais rápido e usar a linguagem parcial. Se em algum momento for entendido que precisa ser diferente, a linguagem parcial não mais será usada e a gente irá em direção a (juro) neutro. O que vai fazer isso acontecer? Mudança de cenário”, disse Campos Neto durante evento virtual do banco BTG Pactual.

O BC promoveu duas altas da taxa básica de juros de 0,75 ponto percentual desde março e já indicou a intenção de fazer um novo aperto da mesma magnitude em junho. O objetivo da instituição é normalizar parcialmente a política de juros, ou seja, a intenção seria manter a Selic abaixo do nível considerado neutro (que é hoje em torno de 6,5%, segundo o BC). A taxa básica de juros está atualmente em 3,5%.

Sobre o PIB, Campos Neto mostrou otimismo e reiterou que a projeção do BC para o índice neste ano “caminha em direção a 4%”.

“O primeiro trimestre surpreendeu positivamente e começamos a achar que o segundo também vai surpreender positivamente também, com os dados granulares que nós temos. E aí, o segundo semestre vai depender da curva de abertura”, afirmou, reforçando avaliação mais otimista da economia. “Vamos passar por revisões sucessivas para melhor”, garantiu.

Na dia anterior, o presidente do BC já havia dito que a autarquia revisará sua projeção para o crescimento do PIB em 2021, atualmente em 3,6%, destacando o bom desempenho do primeiro trimestre e também do segundo.

Open Banking para Open Finance

Na segunda-feira (24), o presidente do BC disse que alteraria o nome Open Banking para Open Finance. A inovação permite o compartilhamento de dados bancários para melhorar a oferta de serviços financeiros. Por meio da tecnologia, os clientes terão o poder sobre as informações levantadas pelas instituições financeiras, como dados cadastrais e histórico de transações. De posse desses dados, os clientes poderão procurar outros bancos e incentivar a competição por serviços e crédito mais barato e de melhor qualidade. A intenção é terminar as 4 fases de implementação ao longo de 2021.

“Nós entendemos que o Open Banking não é mais o que entendemos que o projeto deveria ser”, disse. “O que estava a caminho não era somente uma fusão somente de bancos com fintechs. O que está a caminho é uma fusão de mídia social com indústria financeira”, completou.

De acordo com Campos Neto, o Open Finance é um projeto que democratiza bastante a indústria de dados, que é, segundo ele, o que permite o crescimento da economia.

Relacionados:

► O que muda com a autonomia do Banco Central?► Brasil deverá ter moeda digital emitida pelo Banco Central

Leia mais: