clique para ir para a página principal

Follow on: o que são as ofertas subsequentes de ações?

Atualizado em -

Follow on: o que são as ofertas subsequentes de ações? Freepik
► Rede D'or fará oferta restrita primária e secundária que pode girar R$ 4,5 bi► EcoRodovias contrata assessores e prepara potencial follow-on

O termo “follow on” é constantemente usado no mercado financeiro e o investidor que aplica seus recursos em ações precisa saber o que ele significa.

Quando uma empresa decide abrir seu capital, ela faz uma oferta pública inicial de ações, chamada de IPO, na bolsa de valores. Se quiser ofertar mais ações no futuro, esses processos serão chamados de ofertas subsequentes ou “follow on”.

O processo pode ser realizado de duas formas:

  1. A oferta pode ser direcionada ao público em geral, desde que seja submetida previamente ao registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e na B3.
  2. A oferta pode ser destinada exclusivamente aos investidores profissionais, ou seja, aqueles que possuem mais de R$ 10 milhões em aplicações. Essa oferta restrita dispensa registro na CVM.

No caso do follow on para investidores profissionais, existem algumas regras: as ações só podem ser oferecidas para, no máximo, 75 investidores profissionais e adquiridas por, no máximo, 50 deles. Caso sejam investidores estrangeiros, não há limitação.

A principal vantagem da oferta subsequente é permitir que a empresa consiga mais recursos para novos projetos como abrir filiais, por exemplo.

O follow on pode ser de dois tipos:

  • Oferta primária – nesse caso, a própria empresa é a vendedora das ações, o que gera um aumento real do capital social com a emissão de novas ações. O valor gerado pela operação pode ser usado para investimentos, financiamento de projetos, lançamento de produtos, etc.
  • Oferta secundária – aqui, um ou vários acionistas (controladores da empresa ou não) colocam seus papéis para venda. Como essas ações já existem, não há mudança no capital social da empresa. Nesse tipo de operação, o valor gerado vai para os acionistas e não para a companhia.

Em 2021, estão previstos até R$ 160 bilhões em ofertas na bolsa, que serão divididas em operações de follow on e de IPOs.

Rede D’Or

Menos de seis meses após o seu IPO, a Rede D’Or (RDOR3) levantou R$ 1,78 bilhão com uma oferta subsequente de ações no valor de R$71 cada. A oferta foi feita de forma restrita, ou seja, apenas para investidores profissionais. Segundo a empresa, cerca de R$ 888,9 milhões serão destinados ao capital social da empresa e os outros R$ 888,9 milhões serão destinados à reserva de capital.

Renner

A Lojas Renner (LREN3) também realizou uma oferta de ações subsequentes no início de maio. As ações foram precificadas a R$ 39 cada, movimentando cerca de R$ 3,978 bilhões com a venda de 102 milhões de papéis.

Segundo a empresa, o valor gerado pelo follow on será usado para o desenvolvimento e fortalecimento do ecossistema de moda e lifestyle da companhia por meio de iniciativas orgânicas e inorgânicas, além de outros serviços, como construção de um novo centro de distribuição e expansão das lojas físicas.

Sequoia Logística

Em abril deste ano, a Sequoia Logística (SEQL3) também realizou uma oferta subsequente de ações. A operação captou R$ 894 milhões, com oferta base de 8,28 milhões de ações primárias e em 18,19 milhões de papéis secundários sob o preço de R$ 25. Segundo informações do mercado, a demanda pelo papel foi acima do esperado, em 57%, enquanto a média está na casa dos 30%.

Relacionados:

► Rede D'or fará oferta restrita primária e secundária que pode girar R$ 4,5 bi► EcoRodovias contrata assessores e prepara potencial follow-on

Leia mais: