clique para ir para a página principal

Banco Mundial eleva projeção do PIB brasileiro para 4,5% em 2021

Atualizado em -

Banco Mundial eleva projeção do PIB brasileiro para 4,5% em 2021 Reprodução/Banco Mundial
► Banco Mundial destinará US$ 2 bi para vacinas a países em desenvolvimento até o final de abril► Vendas no varejo sobem 1,8% e alcançam nível pré-pandemia

O Banco Mundial elevou a projeção para o crescimento da economia brasileira em 2021, passando de 3% para 4,5%. No relatório de perspectivas econômicas divulgado nesta terça-feira (08), a instituição prevê que o consumo das famílias brasileiras será influenciado por uma nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial.

Ainda no documento, o Banco Mundial diz que o avanço dos investimentos no Brasil deverá ser sustentado por condições domésticas e de crédito internacional benignas.

No curto prazo, o setor de serviços deverá continuar em defasagem em relação à indústria, graças aos efeitos da pandemia de covid-19, de acordo com a instituição.

Por outro lado, o banco ressalta que as transferências previstas para este ano devem ficar em um patamar bem menor do que em relação a 2020.

Para 2022, o Banco Mundial acredita que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil fique em 2,5% – mantendo a projeção inalterada em relação ao último relatório disponibilizado pela entidade.

O documento revela ainda que a instituição financeira espera que a economia global registre uma expansão de 5,6% em 2021. O crescimento se deve, principalmente, à rápida recuperação de alguns países.

Contudo, muitos mercados emergentes e economias em desenvolvimento continuam sofrendo com os impactos negativos da pandemia de covid-19.

“Embora haja sinais de recuperação global, a pandemia continua a infligir pobreza e desigualdade às pessoas em países em desenvolvimento em todo o mundo”, disse em nota o presidente do Banco Mundial, David Malpass.

Relacionados:

► Banco Mundial destinará US$ 2 bi para vacinas a países em desenvolvimento até o final de abril► Vendas no varejo sobem 1,8% e alcançam nível pré-pandemia

Leia mais: