clique para ir para a página principal

Iguatemi anuncia reorganização societária e poderá ser incorporada pelo Grupo Jereissati

Atualizado em -

Iguatemi anuncia reorganização societária e poderá ser incorporada pelo Grupo Jereissati Divulgação | WGB
► Multiplan registra lucro de R$ 46,3 milhões no primeiro trimestre, queda de 74%► Lucro líquido do Iguatemi cresce 241% no 1T21; vendas totais recuaram 28,4%, para R$ 1,88 bi

A administradora de shoppings Iguatemi (IGTA3) e a Jereissati Participações comunicaram terem aprovado uma reestruturação societária, ainda a ser submetida à aprovação dos acionistas.

Em fato relevante, as companhias destacaram que o processo busca simplificar a estrutura societária das duas empresas "consolidando as suas bases acionária sem uma única companhia, sem alteração da sua estrutura de controle, propiciando, assim, um aumento de liquidez de suas ações e uma maior capacidade de investimento e crescimento".

"A reorganização societária consistirá na incorporação de ações da IESC pela Jereissati, nos termos do art. 252 da Lei nº 6.404/76, pela qual todas ações de emissão da IESC que atualmente não são detidas pela Jereissati serão incorporadas pela Jereissati, tornando a IESC uma subsidiária integral da Jereissati (“Operação”). Com a conclusão da Operação, a totalidade das ações de emissão da IESC passarão a ser de titularidade da Jereissati. Os acionistas da IESC que tiveram suas ações incorporadas à Jereissati receberão em substituição novas ações de emissão da Jereissati, na forma de certificados de depósito de valores mobiliários (units)", explicou a Iguatemi em comunicado.

Segundo o grupo empresarial, uma vez concluída a operação, será criada a Iguatemi S.A., nova denominação a ser adotada pela Jereissati, que reunirá a totalidade das bases acionárias da IESC e da Jereissati em uma única companhia aberta, que terá suas ações negociadas, na forma de units, no segmento de listagem Nível 1 da B3. No entanto, com direitos de acionista e práticas de governança substancialmente similares àqueles exigidos pelo Regulamento do Novo Mercado da B3, com um free float estimado de 45% superior ao atual free float da IESC e capacidade adicional para realizar novos investimentos e aquisições estratégicas (a "Iguatemi S.A.").

O objetivo da unificação das bases acionárias, segundo as companhias, é permitir o aumento da capacidade de investimento e crescimento, sem aumento do endividamento, colocando as empresas em uma posição mais favorável para participar das oportunidades futuras de consolidação, combinações de negócios e aquisição de ativos estratégicos.

"As administrações das companhias confiam que todas essas vantagens e benefícios se reverterão em favor do conjunto dos seus acionistas, que, caso a Operação seja implementada, passarão a ser todos acionistas da Iguatemi S.A., que irá deter, direta e indiretamente, a totalidade dos ativos imobiliários e operacionais da IESC", ressaltam no fato relevante.

Por fim, o grupo Iguatemi destacou ainda o fato de que a nova estruturação, concentrada na Iguatemi S.A., deve acarretar numa redução significativa das atuais despesas gerais e administrativas, "em função da redução da duplicidade de órgãos deliberativos, além de proporcionar a realização de créditos e outros benefícios fiscais".

Nova presidência

O conselho de administração da Iguatemi aprovou início do processo de sucessão do atual presidente, Carlos Jereissati. Para o seu lugar foi indicado a atual vice-presidente financeira, Cristina Betts, que passa a ocupar a função a partir de 1 de janeiro de 2022, sendo também presidente da Iguatemi S.A., caso a reorganização seja finalizada.

Ribeirão Preto

A Iguatemi (IGTA3) registrou também que, após liberação de autoridades locais, a companhia retomou a operação no Shopping Iguatemi Ribeirão Preto a partir desta segunda-feira (07). O empreendimento funcionará de segunda a sábado das 10h às 21h e domingo das 12h às 20h.

Relacionados:

► Multiplan registra lucro de R$ 46,3 milhões no primeiro trimestre, queda de 74%► Lucro líquido do Iguatemi cresce 241% no 1T21; vendas totais recuaram 28,4%, para R$ 1,88 bi

Leia mais: